O Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), localizado no Rio Grande do Norte, alcançou mais um marco em sua trajetória de contribuições para a ciência e tecnologia brasileira. Entre os dias 17 e 28 de julho, o centro realizou com êxito a Operação Natal XLV. Durante este período, dez foguetes de treinamento do tipo SBAT-70 foram lançados, rastreados e tiveram seus dados de voo analisados, demonstrando a capacidade técnica e operacional do CLBI.

Objetivos e Realizações

A operação não foi apenas um show de lançamentos. Ela teve metas claras e estratégicas. O principal objetivo era garantir a operacionalidade das equipes envolvidas, testar equipamentos em solo relacionados aos lançamentos e proporcionar treinamento técnico-operacional ao CLBI. Estes testes e treinamentos são fundamentais para que o Brasil continue avançando em suas ambições aeroespaciais e esteja preparado para futuros desafios.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Prontidão para o Futuro

O Diretor do CLBI, Coronel Aviador Erivando Pereira Souza, não poupou elogios à equipe e ao sucesso da operação. Ele destacou a prontidão do centro para futuros lançamentos de engenhos espaciais ainda maiores. Esta capacidade é essencial, especialmente considerando as demandas do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) e da Agência Espacial Brasileira (AEB). O Brasil tem ambições claras no espaço, e o CLBI prova, mais uma vez, estar à altura desses desafios.

Relevância Nacional e Internacional

A Operação Natal XLV não apenas reforçou a importância do CLBI no cenário aeroespacial brasileiro, mas também demonstrou sua capacidade operacional, fortalecendo as relações com a sociedade e parceiros. O Brasil tem um papel a desempenhar no cenário aeroespacial global, e operações como esta reforçam nosso compromisso e capacidade de contribuir significativamente para a exploração e compreensão do espaço.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).