Em uma iniciativa sem precedentes, a Marinha do Brasil (MB) está se preparando para conduzir um exercício interagências que simula um derramamento significativo de óleo no mar. Esse evento, programado para acontecer na Escola de Guerra Naval entre os dias 07 e 09 de agosto, não é apenas um treinamento. Ele representa um esforço conjunto para fortalecer e avaliar a prontidão do país em face de desastres ambientais, garantindo que as diversas entidades envolvidas possam agir de forma coordenada e eficaz.

Detalhes do Simulado

A simulação, que adota um formato de jogo, imagina um acidente próximo à Bacia de Campos (RJ), causado por um navio petroleiro. Tal incidente acionaria o Plano Nacional de Contingência (PNC) para Incidentes de Poluição por Óleo, conforme estabelecido pelo Decreto 10.950/2022. Dada a localização do suposto vazamento, a MB assumiria o papel de Coordenador Operacional, mobilizando todos os recursos necessários para lidar com a situação.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Participação Ampla e Diversificada

Nomeado “Jogo Incidente de Derramamento de Óleo em Águas Jurisdicionais Brasileiras – JIDO 2023”, o exercício contará com a colaboração de várias instituições civis, incluindo a Agência Nacional de Petróleo, o IBAMA e a ITOPF Limited. Além disso, especialistas do setor de Óleo & Gás, representantes dos setores marítimo e portuário brasileiros e militares de diversas organizações da MB também estarão presentes.

Preparação e Aprimoramento Contínuo

Paralelamente ao JIDO 2023, será realizada uma oficina na Praia Vermelha no dia 08 de agosto, focada em técnicas de limpeza de áreas afetadas por derramamentos de óleo. Este treinamento prático visa aprimorar as habilidades dos participantes, preparando-os para ações reais de descontaminação. O JIDO 2023 é mais do que um simples exercício; é a culminação de anos de experiência e aprendizado. Com a colaboração de entidades públicas e privadas, espera-se que este evento eleve a capacidade de resposta do Brasil a incidentes de poluição por óleo a um novo patamar, garantindo que o país esteja bem preparado para enfrentar desafios reais no futuro.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).