No dia 03 de julho, a Academia da Força Aérea (AFA), localizada em Pirassununga, São Paulo, deu as boas-vindas a nove cadetes estrangeiros para mais uma edição do seu intercâmbio acadêmico. Os alunos, vindos da United States Air Force Academy (USAFA), nos Estados Unidos, e da Escuela Militar de Aviación Marco Fidel Suárez (EMAVI), na Colômbia, chegam para um semestre de imersão completa no ambiente acadêmico e militar brasileiro, que se estenderá até o dia 15 de dezembro.

Enriquecendo Habilidades Militares e Acadêmicas

01

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Durante a estadia, os cadetes estrangeiros acompanharão a rotina da AFA e terão a oportunidade de vivenciar a doutrina de formação da Força Aérea Brasileira (FAB). Além de participar das disciplinas teóricas, os alunos também serão incorporados às atividades de campo, permitindo que eles aprimorem habilidades vitais para o contexto militar e ganhem uma nova perspectiva sobre a formação de oficiais da aeronáutica.

Reciprocidade Internacional

03

Essa troca não se limita apenas à recepção de cadetes estrangeiros. Em um esforço de estreitar laços com outras forças aéreas e de fortalecer a reciprocidade, a AFA também enviou dez cadetes para as instituições parceiras no exterior. “Essa simbiose de conhecimentos e experiências é um testemunho do compromisso contínuo da AFA em fortalecer os laços com outras nações e enriquecer o aprendizado de seus cadetes”, afirmou o Chefe da Divisão de Ensino da AFA, Coronel Aviador Rodrigo Silva de Andrade.

Benefícios do Intercâmbio

O intercâmbio é uma oportunidade singular para os cadetes aprimorarem suas capacidades acadêmicas e militares, e para a AFA de ganhar uma nova perspectiva sobre sua própria formação. Simultaneamente, as instituições de ensino envolvidas se beneficiam do enriquecimento do ambiente acadêmico e do entendimento sobre diversas práticas e abordagens adotadas em outros países. “A convivência entre os cadetes de diferentes nacionalidades possibilita a compreensão e o respeito às singularidades de cada cultura, criando uma atmosfera de colaboração e cooperação que perdura muito além do período de intercâmbio”, declarou o Cadete Aviador Renan Pavan Sá, que passará o próximo semestre letivo nos EUA.