Visita ao pier do Porto Tubarão, na Vale

Em uma série de visitas técnicas realizadas nos dias 9 e 10 de abril, a Capitania dos Portos do Espírito Santo (CPES), liderada pelo Capitão dos Portos, promoveu uma inspeção detalhada aos terminais marítimos estratégicos do estado. A iniciativa incluiu visitas ao terminal Ponta Ubu em Anchieta e ao Porto Tubarão em Vitória, operado pela Vale.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Foco na Operacionalidade e Segurança

blank
A visita à Samarco Mineração possibilitou conhecer o processo de exportação pelo Terminal Ponta Ubu

No terminal Ponta Ubu, a comitiva teve a oportunidade de observar de perto as operações da Samarco Mineração S/A e da Subsea7. Eles acompanharam a operação do navio Seven Vega e visitaram o Centro de Operações Integradas (COI), que monitora desde a extração do minério de ferro em Minas Gerais até seu embarque para exportação.

No seguinte dia, a visita ao Porto de Tubarão proporcionou um olhar aprofundado nos diversos setores da instalação. A equipe visitou o Parque Botânico, os Centros de Controle do Porto de Tubarão e da ferrovia Vitória-Minas, além do terminal de carvão, onde puderam ver as práticas de manuseio e gestão ambiental empregadas pela Vale.

Objetivos das Visitas

Essas visitas técnicas são parte de uma estratégia maior para reforçar os laços entre a Marinha do Brasil e as instituições portuárias do Espírito Santo. O principal objetivo é aprimorar o cumprimento das atribuições da CPES como Agente da Autoridade Marítima, com foco em três aspectos cruciais:

  1. Segurança da Navegação: Assegurar que todas as operações marítimas sejam conduzidas de forma segura para evitar acidentes e incidentes.
  2. Salvaguarda da Vida Humana no Mar: Implementar e monitorar medidas eficazes para proteção da vida humana nas águas jurisdicionais do estado.
  3. Prevenção da Poluição Ambiental: Fiscalizar e orientar as operações nos terminais para prevenir qualquer forma de poluição marinha que possa surgir de atividades portuárias e de navegação.
Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).