Entre os dias 8 e 15 de abril, a Estação Radiogoniométrica da Marinha em Natal (ERMN) conduziu o Estágio Básico de Prevenção e Combate a Incêndio Florestal (E-BPCIF), Turma I-2024. Este programa essencial é destinado a 30 militares das Organizações Militares (OM) subordinadas ao Comando do 3º Distrito Naval, com o objetivo de aprimorar suas habilidades técnicas e profissionais em combate a incêndios florestais.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Capacitação Técnica e Prática

O E-BPCIF foi meticulosamente desenhado para habilitar os militares a desempenhar funções críticas relacionadas à prevenção e ao combate de incêndios florestais nas áreas internas e periféricas de suas Organizações Militares. O curso incluiu um robusto currículo de aulas teóricas complementadas por atividades práticas, onde os participantes aprenderam a utilizar abafadores e outras ferramentas essenciais no controle de incêndios.

Contribuição Especializada

A eficácia do treinamento foi significativamente enriquecida pela participação do Subtenente Edson Marques da Silva, representante do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte. Sua expertise não apenas reforçou o aprendizado mas também assegurou que os ensinamentos estivessem alinhados com as práticas de combate a incêndios mais atuais e eficazes.

Conclusão do Estágio

blank
Encerramento da Turma I-2024 do E-B-PCIF

O encerramento da Turma I-2024 do E-BPCIF marcou um importante avanço na preparação dos militares para responder a emergências ambientais específicas. Completar este estágio não apenas aumenta a segurança das áreas protegidas mas também contribui para a preservação do meio ambiente e da biodiversidade local.

Impacto e Futuro

Ao capacitar continuamente seu pessoal em habilidades especializadas como o combate a incêndios florestais, a Marinha do Brasil demonstra seu compromisso com a responsabilidade ambiental e a prontidão operacional. Esses treinamentos são cruciais para garantir que os militares possam agir decisivamente e eficientemente em situações de incêndio, minimizando danos ambientais e protegendo vidas.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).