Nascida na cidade do Rio de Janeiro (RJ), em 23 de abril de 1967, Carla Cristina Daniel Bastos Peixoto  ocupa o posto de Capitão de Fragata (Quadro Técnico) na Marinha do Brasil (MB). Formada pela Faculdade Gama Filho, em 1992, atuou na área de hotelaria antes de seguir carreira na Força Naval. Hoje, é a jornalista que há mais tempo está na MB.
Ela conta que a sua vida profissional era relativamente estável, porém sempre sonhou em ser militar da Marinha. “Esse desejo foi despertado quando era aluna do Colégio Pedro II do Rio de Janeiro e o Capitão de Mar e Guerra Fernando Pastor foi dar uma palestra na escola sobre a primeira viagem de um navio da Marinha à Antártica, isso era o ano de 1985. Fiquei encantada com a possibilidade de servir à Marinha”.
A oportunidade de ingressar na MB só surgiu em 1997, quando foram disponibilizadas três vagas, após nove anos sem abrir concurso na área de Comunicação Social. “Fiquei feliz, pois estava formada desde 1992, esperando abrir este concurso e isso ocorreu no último ano em que eu poderia tentar, já que naquela época a idade de admissão era limitada a 32 anos incompletos. Tudo se encaixou”.
A Capitão de Fragata (T) Carla Daniel afirma que, na época que ingressou na Marinha, foi um momento de grande mudança na sua vida. “Eu já era casada e tinha uma profissão que me agradava. Tive que parar e recomeçar. Mas, eu sabia que não iria me arrepender. E assim foi feito”.
Em 1998, ela concluiu o Curso de Formação de Oficias, no Centro de Instrução Almirante Wandenkolk, no Rio de Janeiro, formando-se como Primeiro-Tenente do Quadro Técnico. Dentro da área de Comunicação Social, a militar especializou-se em Marketing, na Universidade Candido Mendes, e em Comunicação Televisiva, na No Ar Comunicação; concluiu o curso de Oficial de Comunicação Social, na Escola de Comunicação e Informação das Forças Armadas Alemães, em Berlim; e fez o Curso de Comunicação Social no Centro de Instrução Especializada da Universidade da Aeronáutica.
“Já faz alguns anos que tenho me dedicado a Operações de Paz e, nessa área, tenho feito mais formações, por exemplo, os cursos que realizei em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, no ano de 2018, sobre: Igualdade de Gêneros das Nações Unidas; Competência Baseada em Entrevista para as Nações Unidas; Prevenção da Exploração e Abuso Sexual por Pessoal da ONU; Prevenção de Assédio e Abuso Sexual por Funcionários das Nações Unidas; Segurança Avançada em Campo; Ética e Integridade na ONU; e Prevenção de Fraude e Corrupção na ONU. Atualmente, sou conselheira de Gênero na Missão de Manutenção da Paz da ONU na República Centro-Africana [MINUSCA], estou na capital Bangui, desde setembro de 2022”.
blank
Capitão de Fragata (T) Carla Daniel atua em Missão de Paz da ONU na República Centro-Africana

Profissão militar e jornalista

Como Oficial da Marinha, ela passou por quase todos os lugares que admitem um comunicador social. Na área do Rio de Janeiro, por exemplo, foi responsável pela Seção de Relações Públicas do Comando do 1º Distrito Naval, quando era Tenente, e, anos depois, como Capitão de Fragata, foi encarregada de toda a Assessoria de Comunicação de lá. Em Brasília, serviu no Gabinete do Comandante da Marinha e no Centro de Comunicação Social da Marinha (CCSM). Ainda como militar da Força, trabalhou na Assessoria de Comunicação Social do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

O extenso currículo abriu portas para que a militar fosse designada para sua primeira Missão de Paz, o que mudou sua carreira na Marinha. “Fui para Força Interina das Nações Unidas no Líbano (UNIFIL) como assistente do Comandante da Força-Tarefa Marítima (FTM) e Oficial de Comunicação Social. Com essa experiência, tive a oportunidade de participar do processo seletivo e ser aprovada para servir na sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York, onde fiquei por três anos no Departamento de Operações de Paz. E agora, estou em outra missão da ONU”. Cabe ressaltar o pioneirismo da Capitão de Fragata (T) Carla Daniel, pois ela foi a primeira mulher a atuar embarcada na FTM da UNIFIL.

Desafio

Como comunicadora, o momento mais desafiador na carreira da Oficial foi a participação na criação do CCSM. Em 2008, ela foi transferida do Rio de Janeiro para Brasília, para fazer parte da equipe que cuidaria da transição do Serviço de Relações Públicas da Marinha para o CCSM. “Éramos apenas sete Oficiais, incluindo o assistente do Diretor, para lidar com todos os produtos que seriam produzidos no Centro”.

Sobre a evolução na carreira de comunicador social na Marinha, ela viu nascer ou renascer vários produtos, dentre eles a revista Âncora Social, a Rádio Marinha (antes era apenas um programa na Rádio Verde Oliva do Exército Brasileiro), o Nomar Online, a TV Marinha, a Marinha em Revista, enfim, várias iniciativas ligadas a profissão de jornalista.

“O trabalho do jornalista e de todos da área de comunicação social é fundamental porque trata diretamente com a imagem da instituição. O público precisa saber o que está sendo feito. E a forma de divulgar também tem que ser adequada para os diferentes públicos e nada melhor que um jornalista para melhor adaptar essa mensagem”.

Sobre as oportunidades que a Marinha do Brasil proporcionou, ela afirma que, sem dúvida, a maior delas até o momento foi poder servir nas mais diversas áreas, da música, quando trabalhou com as bandas musicais do Corpo de Fuzileiros Navais, a uma região de conflito, durante as missões da ONU. “Acredito que essa variedade de assuntos atrai o jornalista que é um eterno buscador do novo. E tudo isso com a segurança de uma instituição estatal e apreciada pela sociedade. Se eu tivesse que recomeçar, faria tudo de novo”.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).