Uma pesquisa inédita realizada pela Universidade de Oxford em parceria com instituições brasileiras aponta que 43,9% dos jovens brasileiros, entre 16 e 26 anos, têm interesse em seguir a carreira militar. Este dado reflete uma tendência crescente entre os jovens em buscar opções de carreira que ofereçam estabilidade, boa remuneração e segurança, aspectos fortemente associados às Forças Armadas brasileiras.

Preferência pelas Forças Armadas

As Forças Armadas do Brasil, compreendendo a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea, gozam de alta estima entre os jovens, com 47,5% de preferência no estudo. A pesquisa, que ouviu 2.055 pessoas em todas as regiões do país, revela que o interesse é forte tanto entre os homens (50,5%) quanto entre as mulheres (44,9%).

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Fatores de Atração

Segundo um professor de Língua Portuguesa e Literatura, veterano do Exército Brasileiro, o interesse pela carreira militar pode ser explicado por três fatores principais: o desejo de estabilidade, a busca por boa remuneração e o fato de o Brasil não estar envolvido em grandes conflitos internacionais. Além disso, as Forças Armadas são vistas como uma via para escapar da pobreza e garantir sustento em um cenário de poucas oportunidades.

Requisitos para Ingresso

Ingressar na carreira militar no Brasil envolve diferentes caminhos de formação, abrangendo desde o ensino médio até o nível superior, seja nas Forças Armadas ou em corporações como o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar. O processo seletivo é cada vez mais competitivo, exigindo preparação intensa, foco e disciplina dos candidatos. De acordo com o Professor Daniel Dias Filho, ex-Capitão-de-Mar-e-Guerra da Marinha do Brasil, o sucesso nesses concursos demanda renúncia e estudo sistemático.

Desafios e Benefícios da Carreira Militar

A carreira militar não é apenas sobre passar nos exames de admissão, mas também sobre se adaptar a uma rotina rigorosa e a disciplina exigida nas escolas de formação. Os benefícios incluem estabilidade profissional, boa remuneração, plano de carreira bem definido, possibilidade de aposentadoria com rendimento integral, suporte médico, odontológico e psicológico, educação para dependentes em escolas militares, e oportunidades de conhecer diversos lugares do país e do mundo em missões e transferências.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).