No coração da capital chilena, Santiago, um importante acordo foi selado entre o Brasil e o Chile, marcando um novo capítulo na colaboração em defesa e tecnologia. O Ministro da Defesa do Brasil, José Mucio Monteiro, e sua homóloga chilena, Maya Fernández Allende, firmaram uma Declaração de Intenções para Cooperação Satelital. Este pacto destina-se a aprimorar a capacidade de ambos os países em tecnologia espacial, particularmente na utilização de satélites para fins defensivos e de monitoramento ambiental.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Dinâmica do Acordo

A declaração conjunta abrange várias facetas da tecnologia satelital, incluindo troca de dados de imagem, comunicação via satélite e Big Data. Essenciais para a gestão estratégica e operacional das forças armadas, esses elementos são vistos como vitais para a segurança nacional de ambas as nações. Além disso, o acordo prevê a realização de treinamentos e intercâmbios profissionais, visando capacitar e preparar equipes especializadas em ambos os países para melhor utilizar estas tecnologias emergentes.

Questões Ambientais e Humanitárias em Pauta

blank

Durante as discussões, não só a tecnologia foi pauta, mas também questões climáticas urgentes que afetam a América do Sul. José Mucio propôs a criação de uma frente internacional de apoio humanitário para enfrentar desastres naturais como incêndios, enchentes e terremotos, que são frequentemente exacerbados pelas mudanças climáticas. Esta iniciativa visa a integração de esforços de resposta entre as nações do continente, usando tecnologia de satélite para melhor previsão e resposta a emergências.

Fomento à Participação Feminina nas Forças Armadas

A reunião também abordou o tema do serviço militar voluntário para mulheres, um tópico de especial interesse para a Ministra Fernández, dado que o exército chileno já conta com uma participação de 21% de mulheres. O diálogo focou em como o empoderamento feminino e a inclusão podem fortalecer as forças armadas e refletir uma sociedade mais igualitária e preparada para os desafios modernos.

Fortalecimento das Relações Bilaterais

Os ministros enfatizaram a importância desta parceria não apenas no contexto de defesa, mas como um pilar para a consolidação das relações bilaterais. “Brasil e Chile são nações irmãs, ambas com democracias consolidadas. Este encontro é um passo crucial para intensificar nossas relações, fortalecendo as capacidades defensivas e de resposta a emergências dos dois países”, comentou José Mucio.

Marcelo Barros, com informações do Ministério da Defesa
Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).