A cidade de Tefé, no Amazonas, tornou-se o ponto de partida para uma importante missão. No dia 23 de agosto, o 17º Batalhão de Infantaria de Selva deu início ao deslocamento de seus militares para Vila Bitencourt. O objetivo? Realizar a substituição do efetivo no 3º Pelotão Especial de Fronteira. Esses militares têm uma tarefa crucial: patrulhar o Rio Traíra, localizado na fronteira com a Colômbia. A operação tem como foco principal combater os crimes transfronteiriços, sendo o tráfico de drogas o mais recorrente na região.

Preparação Intensa para a Missão

imagem 2023 08 24 063528827

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Antes de assumirem seus postos, os militares passam por um rigoroso treinamento. Esse preparo é parte do Módulo Preparatório dos Pelotões Especiais de Fronteira. Durante essa fase, os militares são submetidos a instruções de tiro embarcado, tiro de frações e tiro de armas coletivas. Mas não é só isso. Eles também recebem treinamento em comunicações, reconhecimento de fronteira e, algo fundamental para a região, inteligência etnográfica. Esse conjunto de habilidades garante que os militares estejam prontos para enfrentar os desafios da fronteira e proteger o território brasileiro.

Proteção Ambiental e Comunidades Indígenas

A missão vai além do combate ao tráfico. A 16ª Brigada de Infantaria de Selva (16ª Bda Inf Sl) tem um papel vital na proteção da Amazônia Ocidental. Com base em dados de inteligência, os Pelotões Especiais de Fronteira atuam na proteção das comunidades indígenas e na fiscalização da fronteira. A preservação ambiental é uma das prioridades, garantindo que a rica biodiversidade da região seja mantida e que as comunidades locais vivam em segurança.

imagem 2023 08 24 063549574

A fronteira brasileira com a Colômbia é uma região de grande importância estratégica. Ações como essa, realizadas pelo 17º Batalhão de Infantaria de Selva, demonstram o compromisso do Brasil em proteger seu território, seu povo e seu patrimônio ambiental. A preparação rigorosa e a dedicação dos militares garantem que a fronteira seja um lugar de paz, segurança e cooperação.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).