Em uma demonstração de união e respeito mútuo, integrantes do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS) participaram da cerimônia de formatura em homenagem aos 376 anos do Exército Brasileiro (EB), realizada no Comando Militar da Amazônia (CMA). Este evento significativo reuniu membros do Exército e diversas personalidades civis e militares, destacando a colaboração contínua entre as forças armadas e a sociedade civil.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Condecorações e Méritos

blank

Durante a solenidade, foram concedidas honrarias a indivíduos que têm contribuído de maneira excepcional para o Exército e para o país. Os reconhecimentos incluíram:

  • Diploma de Colaborador Emérito do Exército: Este diploma é entregue a personalidades que, não sendo militares, contribuem significativamente para o engrandecimento do Exército Brasileiro.
  • Ordem do Mérito Militar: A mais alta condecoração do Exército, que premia militares e civis nacionais e estrangeiros por serviços notáveis ou mérito excepcional, e que tenham se destacado no exercício de sua profissão.
  • Medalha Exército Brasileiro: Outorgada para reconhecer as práticas meritórias e os bons serviços prestados por militares e civis, tanto do Brasil quanto de nações amigas, que se distinguiram no fortalecimento dos laços de amizade com o Exército Brasileiro.

Espírito de Dedicação e Serviço

A cerimônia foi um reflexo do espírito de dedicação à nação que caracteriza tanto os integrantes do CIGS quanto os homenageados. A participação dos militares do CIGS, especializados nas táticas de combate na selva, destacou a importância da adaptação e da expertise militar em regiões de difícil acesso como a Amazônia, reforçando o papel crítico do Exército na defesa e soberania nacional.

Significado das Condecorações

As condecorações serviram não apenas como reconhecimento dos méritos dos indivíduos agraciados mas também como um lembrete da interdependência entre as forças armadas e a comunidade civil. Elas simbolizam o agradecimento da nação pelos inúmeros sacrifícios feitos em nome da segurança e do progresso do Brasil.

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).