Em um evento marcante para a Força Aérea Brasileira (FAB), a Base Aérea de Canoas (BACO) sediou a Operação IRIS 2024 no mês de março, destacando-se como um pilar no desenvolvimento do Projeto Link-BR2. Este sistema de datalink militar é projetado para a troca segura e eficaz de informações em tempo real, crucial para as operações de Comando e Controle. A operação é parte de uma série de iniciativas previstas no Plano de Operações do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), visando a evolução e a certificação do equipamento Rádio Terminal Data Link (RTDL) integrado às aeronaves F-5M.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

APERFEIÇOAMENTO CONTÍNUO ATRAVÉS DOS ENSAIOS EM VOO

A primeira fase da Operação IRIS focou em ensaios complementares de desenvolvimento, envolvendo duas aeronaves F-5M equipadas com o Sistema Link-BR2. Estes testes foram essenciais para refinar as capacidades do sistema, baseando-se em análises anteriores e expandindo as funcionalidades operacionais. O Major Aviador Vinicius Marcel Holdorf, Coordenador Operacional dos Ensaios e piloto do Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo (IPEV), destacou a complexidade e a importância do sistema para a interoperabilidade entre plataformas aéreas e terrestres e para a maximização da eficácia das missões.

PRESENÇAS ILUSTRES E APOIO INSTITUCIONAL

O desenvolvimento do Link-BR2 contou com a presença e o suporte de várias figuras chave, incluindo o Tenente-Brigadeiro do Ar Mauricio Augusto Silveira de Medeiros, Diretor-Geral do DCTA, e o Major-Brigadeiro do Ar Mauro Bellintani, Presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC). As observações do Tenente-Brigadeiro Medeiros sobre a parceria de longa data entre a FAB e a AEL Sistemas reforçaram o compromisso com a excelência tecnológica e operacional no cenário aeroespacial brasileiro.

VISÃO ESTRATÉGICA E FUTURO DA FAB

O projeto Link-BR2 está alinhado com a visão de longo prazo da FAB de alcançar autonomia em guerra centrada em redes (NCW), colocando o Brasil no mapa global como uma das poucas nações com a capacidade de desenvolver e operar tecnologias de enlace de dados táticos de alta segurança. A operacionalização do Link-BR2 é vista como um salto qualitativo para a FAB, permitindo uma superioridade informacional e tática, além de uma redução significativa no ciclo de tomada de decisão em combate.

UM COMPROMISSO COM A MODERNIZAÇÃO E A SEGURANÇA

A Operação IRIS 2024 sublinha o compromisso da FAB com a modernização contínua de suas capacidades operacionais, assegurando não apenas a eficácia das futuras missões, mas também a segurança nacional. O desenvolvimento do Link-BR2 não apenas fortalece as capacidades de defesa do Brasil, mas também promove a integração e a eficiência das operações militares no âmbito internacional.