Na última semana, em uma significativa missão de diplomacia militar, o Comandante do Exército Brasileiro, General Tomás Miguel Miné Ribeiro Paiva, visitou a França e a Polônia. Esta viagem visou reforçar os laços e expandir a cooperação entre as Forças Armadas do Brasil e dessas nações estratégicas na Europa.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Encontros na França: Ampliando a Cooperação Militar

blank

Em solo francês, entre os dias 8 e 9 de abril, o General Paiva e seu homólogo francês, General Pierre Schill, exploraram a ampliação da integração nas fronteiras comuns amazônicas e discutiram o desenvolvimento de exercícios conjuntos que promovem a interoperabilidade militar. Um dos destaques da visita foi o encontro no Comando de Combate Futuro, onde a comitiva brasileira pôde ver de perto como o Exército Francês está se adaptando às novas ameaças tecnológicas e organizacionais.

Além disso, a visita ao Centro de Combate Urbano e ao Projeto Scorpion revelou inovações no campo de dados de combate e suporte de fogo, particularmente com o uso eficiente do canhão 155 mm Caesar, evidenciando esforços para aprimorar a tomada de decisão rápida e eficaz nas operações militares.

Histórico de Cooperação e Educação Militar

A relação entre os exércitos do Brasil e da França não é apenas contemporânea, mas também histórica, remontando à Missão Militar Francesa contratada entre 1920 e 1940. Este legado continua a influenciar profundamente a cultura e as práticas do Exército Brasileiro, ressaltando a importância de renovar e modernizar continuamente essa parceria estratégica.

Primeira Visita Oficial à Polônia: Estreitando Vínculos Históricos

Seguindo a agenda, a comitiva brasileira partiu para a Polônia, onde, de 10 a 12 de abril, o General Paiva foi recebido pelo Major-General Piotr Trytek. Durante a visita, foi apresentado um briefing detalhado sobre as capacidades da Força Terrestre Polonesa, que destacou o aumento significativo em seu orçamento de defesa para 4% do PIB, visando a modernização e a aquisição de novas capacidades militares.

A visita à 1ª Brigada Blindada de Varsóvia e ao Grupo de Armamentos da Polônia foi crucial para entender o robusto conglomerado de defesa do país, que abrange aproximadamente 50 empresas estatais. Estes encontros facilitaram uma troca rica de experiências e abriram portas para futuras colaborações em defesa e tecnologia militar.

Impacto e Perspectivas Futuras

Estas visitas não apenas reafirmam os laços históricos entre o Brasil e esses países, mas também destacam o compromisso do Brasil em manter uma presença influente no cenário de defesa global. Através dessas iniciativas de cooperação militar, o Exército Brasileiro não só fortalece suas próprias capacidades como também contribui significativamente para a segurança e estabilidade regionais.

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).