A Operação Ágata Fronteira Oeste II, conduzida por forças combinadas do 11º Regimento de Cavalaria Mecanizado (11º RC Mec) e outras entidades de segurança, segue com resultados expressivos em Ponta Porã, Mato Grosso do Sul. Até o momento, a operação já totalizou aproximadamente R$ 300 milhões em apreensões, destacando-se no combate ao contrabando e ao tráfico de drogas.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Detalhes das Apreensões Recentes

blank

Na última semana, a operação marcou significativas apreensões incluindo 400 caixas de cigarros e 550 kg de maconha. A ação de destaque ocorreu no anel viário de Ponta Porã, onde uma van carregada com cigarros tentou evadir-se após uma fiscalização de rotina, resultando na recuperação de produtos avaliados em mais de R$ 1 milhão.

Em outro caso significativo, um veículo de passeio foi interceptado transportando 505 kg de maconha prensada na MS-164, rota conhecida por sua utilização em atividades ilícitas. O condutor foi detido sem resistência, com a carga estimada em mais de R$ 1 milhão.

Colaboração Intersetorial

A eficácia da Operação Ágata Fronteira Oeste II é amplificada pela colaboração entre as Forças Armadas, Polícia Federal, Receita Federal, Polícia Rodoviária Federal, e outras agências de inteligência e segurança pública. Este esforço conjunto não apenas maximiza os recursos disponíveis, mas também fortalece a segurança nacional através de uma abordagem integrada e estratégica.

Contribuições Regionais

Somente na área sob jurisdição da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, as apreensões já somam cerca de R$ 110 milhões, com entorpecentes representando aproximadamente R$ 62 milhões desse total. Essas operações são cruciais para deter a fluxo de substâncias ilegais e contrabando que afligem a região e o país.

Serviço de Disque Denúncia

Reforçando o apelo à comunidade para colaboração, a operação também disponibilizou um serviço de disque denúncia (0800 358 0007), que garante anonimato e está disponível permanentemente para receber informações que possam auxiliar no combate aos ilícitos transfronteiriços.

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).