Os Ministros da Defesa, José Múcio Monteiro Filho, e da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino de Castro e Costa, anteciparam o término dos corredores no interior da Zona de Identificação de Defesa Aérea (ZIDA) no espaço aéreo em terra indígena Yanomami. Agora, pessoas não indígenas só poderão voar para fora da região até o dia 6 de abril de 2023. Anteriormente, o prazo estava previsto para o dia 6 de maio.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Em reunião, o Ministro da Defesa afirmou que a medida “é importante para desincentivar e desestimular” o garimpo ilegal no território Yanomami, em Roraima.

Para o cumprimento das medidas, o Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) determina que as aeronaves terão autorização de voo desde que se mantenham dentro dos limites laterais e verticais estabelecidos. As medidas estarão em vigor até o dia 6 de abril de 2023, quando deixarão de existir e ocorrerá o bloqueio do espaço aéreo. O novo prazo foi normatizado pela Força Aérea Brasileira (FAB), por meio de NOTAM (do inglês Notice to Air Missions), que informa à comunidade aeronáutica sobre a operação.

As aeronaves que descumprirem as regras estabelecidas nas áreas determinadas pela Força Aérea estarão sujeitas às Medidas de Policiamento do Espaço Aéreo (MPEA).

O COMAE é o responsável pelo planejamento, coordenação e execução das Ações de Força Aérea voltadas para a Tarefa de Controle Aeroespacial durante a Operação Escudo Yanomami 2023, conduzindo os meios aéreos necessários para identificação, coerção ou detenção dos tráfegos voando na área de interesse.

Fonte: Ministério da Defesa

Fotos: CECOMSAER

Marcelo Barros, com informações da Agência Força Aérea
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).