Nesta data significativa, a 1ª Companhia de Infantaria, conhecida como “A Guardiã da Energia do Nordeste”, recebeu uma comitiva de alto nível, integrada por membros do Estado-Maior envolvidos no Exercício Combinado entre os Exércitos do Brasil e dos Estados Unidos, o CORE25. Este evento inicial marca o começo dos reconhecimentos na região de Paulo Afonso e adjacências, uma etapa crucial para o planejamento do exercício que se realizará no próximo ano.

O EXERCÍCIO COMBINADO CORE25

O Combined Operations Rotational Exercises (CORE25) é mais do que um simples treinamento militar; ele é uma plataforma para o fortalecimento das relações entre Brasil e Estados Unidos. Alternando sua localização entre os dois países, o CORE25 não só promove a troca de experiências táticas e culturais, mas também cimenta os laços de cooperação e entendimento mútuo entre as forças armadas.

ESCOLHA ESTRATÉGICA DE PAULO AFONSO E PETROLINA

As cidades de Paulo Afonso-BA e Petrolina-PE foram escolhidas como sedes para acolher os militares norte-americanos. Esta é a primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial que o Nordeste Brasileiro desempenha um papel tão central em um evento militar internacional de tal magnitude. A última ocasião similar foi quando pilotos aliados estabeleceram uma base aérea em Natal-RN, utilizada como ponto de partida para alcançar o teatro de operações europeu.

SIGNIFICADO PARA A REGIÃO

A escolha de Paulo Afonso e região como locais para este exercício não só traz orgulho para os habitantes locais, mas também reafirma o papel estratégico do Nordeste na defesa e no desenvolvimento militar do Brasil. A 1ª Companhia de Infantaria, ao receber este evento, reforça seu título de “Guardiã da Energia do Nordeste”, destacando-se não apenas em suas funções tradicionais, mas como um pilar no fortalecimento das relações internacionais do Brasil.

Este evento é um testemunho do compromisso contínuo do Exército Brasileiro em promover a paz e a segurança através de colaborações internacionais, preparando suas forças para desafios futuros e fortalecendo sua capacidade de atuar em conjunto com aliados estratégicos.

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).