Construir uma Força Aérea cada dia mais tecnológica e inovadora. Esse é o objetivo do Comando da Aeronáutica (COMAER), que, nesta quinta-feira (15/09), assinou o contrato com a empresa Airbus Helicopters, dando mais um passo visando a modernização da frota. O acordo, assinado pelo Presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), Brigadeiro do Ar Antonio Luiz Godoy Soares Mioni Rodrigues, e pelo Vice-Presidente da Airbus Helicopters América Latina, Alberto Robles, permitirá a aquisição de 12 aeronaves H-125 em substituição às aeronaves H-50 Esquilo, da Aviação de Asas Rotativas da Força Aérea Brasileira (FAB). O mesmo contrato também prevê a aquisição de 15 aeronaves do modelo pela Marinha do Brasil (MB).

A cerimônia de assinatura foi presidida pelo Comandante de Operações Aeroespaciais, Tenente-Brigadeiro do Ar Heraldo Luiz Rodrigues, e contou com a participação do Comandante de Preparo, Tenente-Brigadeiro do Ar Sérgio Roberto de Almeida; do Comandante-Geral de Pessoal, Tenente-Brigadeiro do Ar Ricardo Reis Tavares; do Secretário de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Ricardo Augusto Fonseca Neubert; de Oficiais-Generais da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Aeronáutica; do Adjunto do Advogado-Geral da União, Paulo Henrique Kuhn, representando, neste ano, o advogado-Geral da União, Ministro Bruno Bianco Leal, dentre outras autoridades civis e militares.

“Esse momento representa o trabalho de várias Organizações Militares da FAB, capitaneadas pelo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior, e diversos órgãos envolvidos para que esse projeto desse certo. Em nome do Comandante, gostaria de agradecer a todas as Organizações e seções envolvidas nesse processo. E, é claro, à Airbus, que já é uma parceira de longa data da Força Aérea”, destacou o Tenente-Brigadeiro Heraldo.

À frente do projeto na COPAC, o Brigadeiro Soares ressaltou que o sucesso do projeto deve ser compartilhado. “A aquisição conjunta, aqui celebrada, das aeronaves H-125, pela Marinha do Brasil (MB) e pela Força Aérea Brasileira (FAB), concretiza, em sua plenitude, um passo importante para a adoção de um meio padronizado, doravante definido pelo Ministério da Defesa, para a formação das tripulações de Asas Rotativas das Forças Singulares. Para que esse projeto desse certo, contamos com o apoio de diversos órgãos do Governo brasileiro, como a Advocacia Geral da União (AGU), que garantiu que todo o arcabouço jurídico constitucional fosse observado”, explicou.

Por sua vez, Alberto Robles destacou a importância da renovação da frota. “Nesse momento, renovamos uma parceria com as Forças Armadas brasileiras. Tenham a certeza de que estarão recebendo agora o estado de arte da Aviação das Asas Rotativas, isto é, o nível mais alto de uma aeronave da área: uma aeronave moderna e versátil, que irá contribuir extremamente na formação dos futuros pilotos. Com essa parceria, estamos desenvolvendo não só as capacidades aéreas, mas toda a capacidade de geração de emprego e renda com a fabricação desses helicópteros aqui no Brasil”, concluiu.

Fotos: Sargento Müller / CECOMSAER

Marcelo Barros, com informações e imagens da Agência Força Aérea
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui