No dia 18 de abril, a Capitania dos Portos do Rio de Janeiro (CPRJ) abriu suas portas para receber 29 aspirantes do 4º ano da Escola Naval, marcando um dia significativo para esses futuros oficiais da Marinha do Brasil. A visita foi planejada com o intuito de enriquecer o currículo acadêmico dos aspirantes, proporcionando-lhes uma visão ampla e prática das operações e responsabilidades inerentes à Autoridade Marítima.

Imersão na dinâmica operacional da CPRJ

Durante a visita, os aspirantes tiveram a oportunidade de se aprofundar na dinâmica operacional de uma das principais instituições militares do Sistema de Segurança do Tráfego Aquaviário. Eles exploraram temas vitais como segurança da navegação, prevenção de acidentes e ações para a preservação do ecossistema marinho. Essas discussões são cruciais para o desenvolvimento de uma perspectiva integrada sobre como as operações marítimas devem ser geridas para garantir tanto a segurança quanto a sustentabilidade.

Palestras e aprendizado prático

blank
Aspirantes da Escola Naval participam de palestra na CPRJ

A visita também incluiu uma série de palestras, onde os aspirantes foram instruídos por oficiais experientes da CPRJ. Essas apresentações permitiram que os futuros oficiais entendessem melhor as complexidades dos desafios enfrentados pela Capitania, desde a coordenação do tráfego de embarcações até medidas preventivas contra poluição marinha. Além disso, os aspirantes puderam ver de perto alguns dos equipamentos e tecnologias usados na monitoração e controle das atividades marítimas, o que reforçou o aspecto prático de seu aprendizado.

Preparação para futuras atribuições

A inclusão desta visita no currículo do Ensino Profissional Naval é uma demonstração clara do compromisso da Marinha do Brasil em preparar seus oficiais não apenas em termos teóricos, mas também através de experiências práticas que destacam a realidade das operações marítimas. Para os aspirantes, esses insights são essenciais, pois preparam o terreno para que desempenhem suas futuras atribuições no Corpo da Armada com competência e eficácia.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).