No coração da Amazônia, em Macapá (AP), uma cerimônia especial marcou o início da Operação Munduruku VI. Realizada no dia 16 de outubro, a formatura aconteceu no pátio de formaturas da 22ª Brigada de Infantaria de Selva. O evento foi presidido por uma figura de destaque: o General de Brigada Eduardo da Veiga Cabral, Comandante da 23ª Brigada de Infantaria de Selva.

Tropa de Elite Preparada para a Missão

Snapinsta.app 393365220 339277545531668 4556546496415395002 n 1080

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

O Pátio dos Pioneiros foi palco para a apresentação de uma tropa altamente treinada e diversificada. Entre as frações presentes estavam: Comando e Estado Maior da FT, Companhia de Comando e Apoio do 52º BIS, 1ª Companhia de Fuzileiros de Selva do 52º BIS, Bateria de Obuses do 1º Grupo de Artilharia de Campanha de Selva, entre outros. O comando de todo esse efetivo estava nas mãos do Coronel Alexandre Grangeiro de Lima, Comandante da Força Tarefa 52º BIS. Ele foi o responsável por apresentar a tropa à autoridade militar mais antiga presente, reforçando a seriedade e o comprometimento da missão.

Objetivo da Operação Munduruku VI

Snapinsta.app 393227497 339277518865004 523885108083833611 n 1080

A Operação Munduruku VI não é apenas um exercício militar. Ela representa um treinamento intensivo, preparando as tropas para o Exercício CORE (Combined Operation and Rotation Exercise). Este exercício é ainda mais especial, pois contará com a participação conjunta do Exército Brasileiro e do Exército dos Estados Unidos da América (EUA). Uma colaboração que visa fortalecer as relações militares e aprimorar as técnicas de defesa e proteção da região amazônica.

A Importância da Cooperação Internacional

Snapinsta.app 393342643 339277468865009 1032036458075749501 n 1080

A colaboração entre o Exército Brasileiro e o Exército dos EUA demonstra a importância da cooperação internacional na defesa de territórios estratégicos, como a Amazônia. Juntos, esses exércitos trabalham para garantir a segurança, a soberania e a preservação de uma das regiões mais ricas e biodiversas do planeta.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).