Em uma cerimônia solene realizada no dia 12 de abril, a Capitania dos Portos da Amazônia Oriental celebrou um marco histórico com a posse do seu primeiro Suboficial-Mor, o SO-AD Ronney Wellington Pinto dos Santos. Este evento não só destacou a importância da posição dentro da estrutura naval, mas também marcou um avanço significativo na hierarquia de comando da unidade.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Processo de Seleção e Posse

blank
Cerimônia foi presidida pelo Capitão dos Portos da Amazônia Oriental

O SO-AD Ronney foi selecionado após um rigoroso processo de avaliação que examinou diversos requisitos essenciais para o cargo. A cerimônia de assunção de incumbência contou com a presença de dignitários notáveis, incluindo o SO-Mor do Comando do 4º Distrito Naval, SO-AV-RV Ricardo Alexandre Andrade, além de familiares e membros da tripulação.

Funções e Responsabilidades do Suboficial-Mor

Durante o evento, o Capitão de Mar e Guerra Ewerton Rodrigues Calfa, Capitão dos Portos da Amazônia Oriental, entregou o alamar ao novo Suboficial-Mor. Em seu discurso, ele enfatizou o papel crucial do SO-Mor na orientação das Praças, abordando questões fundamentais como a manutenção do moral, bem-estar, satisfação profissional, ambiente de trabalho, carreira militar, e o apoio à saúde e à família.

Significado do Alamar

O alamar, símbolo de honra e responsabilidade, representa o reconhecimento e a confiança depositada no SO-AD Ronney para liderar e servir como um elo vital entre a liderança e as Praças. Sua função será essencial para assegurar que os valores e os padrões da Marinha continuem sendo exemplarmente mantidos e promovidos.

Impacto da Posição na Capitania

A introdução do Suboficial-Mor na Capitania dos Portos da Amazônia Oriental é um passo importante para fortalecer a liderança e a gestão interna, assegurando que a unidade opere com eficiência e eficácia máximas. Este cargo não apenas eleva o nível de supervisão e apoio disponível para os membros da tripulação, mas também garante um ambiente de trabalho coeso e uma força de trabalho bem orientada.

Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).