O Ministro da Defesa, José Mucio Monteiro, participou da 52ª Assembleia Geral do Povos Indígenas em Roraima, que reuniu ministérios para discutir a proteção territorial, meio ambiente e sustentabilidade. Durante a visita, o ministro prestigiou a feira de produtos orgânicos e artesanato e a exposição de animais criados em terras indígenas.

blank

As Forças Armadas também atuam na defesa dos povos indígenas, papel que foi reforçado após a edição, pelo Presidente Lula, do Decreto nº 11.405, de 30 de janeiro de 2023, que estabeleceu medidas para o enfrentamento da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional em decorrência de desassistência à população Yanomami e combate ao garimpo ilegal. As ações dos militares foram elogiadas pelos indígenas, e desde 20 de janeiro, já foram realizados 1.761 atendimentos em hospital de campanha e 137 evacuações aeromédicas, bem como o transporte de 14.400 cestas básicas.

Além disso, o Exército executa obras de infraestrutura, como construção, manutenção e reparação de poços artesianos, miniusinas hidrelétricas, estradas, portos e ancoradouros fluviais, e a preparação do terreno para assentamentos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O Programa Calha Norte (PCN) também atua na região para contribuir na manutenção da soberania nacional, da integridade territorial e na promoção do desenvolvimento regional.

O Ministério da Defesa, por meio do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), contribui para a preservação dos povos indígenas em parceria com demais órgãos públicos, por meio do emprego intensivo de tecnologias de sensoriamento remoto e da análise de inteligência sobre as terras indígenas. O Centro está levando internet à Terra Yanomami por meio de antenas transportáveis de conexão via satélite, empregadas em operações de campo em localidades isoladas.

Marcelo Barros, com informações do Ministério da Defesa
Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).