Geopolítica do coronavírus – Uma rápida olhada no equilíbrio global

blank

Google News

Quando você deseja se impor como uma superpotência, a reputação e o mito por trás do próprio estado são fundamentais.Para esses dois elementos, em particular, contribuem quais são os fatos históricos que precederam a condição atual do próprio estado. Não é por acaso que os Estados Unidos, geralmente reconhecidos como salvadores e vencedores da Segunda Guerra Mundial, depois desse evento histórico representaram a maior potência mundial. Portanto, agora, com a disseminação da epidemia de coronavírus, as superpotências mundiais, consideradas como tais ou que aspiram a ser, agem de maneira a fortalecer o ideal mitológico que gira à sua volta. Assim podemos ler as ações da China. Demonstrar aos olhos do mundo como uma nação a ser tomada como modelo para derrotar a pandemia, distribuir ajuda (ninguém sabe se gratuitamente ou por meio de contratos comerciais) enviando material médico e médicos especialistas, aumenta a reputação da República Popular da China e o mito que oculta em torno dele. A China, portanto, quer sair dessa crise global de emergência em saúde como o poder vencedor, de modo a legitimar seu evidente poder econômico aos olhos do mundo e, finalmente, sentar-se nas mesas mais importantes das negociações mundiais com maior peso. Também foi inicialmente descrita como a “causa” dessa disseminação do vírus; portanto, são necessárias ações para recuperar a confiança dos mercados e começar a distribuir seus produtos de manufatura em todo o mundo. Isso explica o excepcional e excelente dinamismo chinês nessa luta contra a pandemia. Além disso, para sublinhar o caminho que a China está trilhando para a legitimação da república popular, que deverá ser concluída em 2049. Caminho que exige legitimação total do governo por seu povo, que recentemente mostrou discordância após o gerenciamento inicial da emergência .

As não-decisões iniciais tomadas pela presidência dos Estados Unidos, nacionalista e populista Donald Trump, para combater a propagação do vírus ajudaram a China a demonstrar seu imenso poder. As medidas tardias tomadas para combater a disseminação do vírus por Trump, mudando completamente sua opinião sobre o perigo do vírus, podem ser lidas como a resposta americana ao desejo chinês de legitimar-se como a primeira potência mundial. Daí o anúncio em grande pompa de alocações de bilhões de dólares para a luta contra o vírus e a idéia de ajudar outras nações também. Do mesmo modo, o exercício americano pode ser lido, ainda que de fato, que ocorreu de maneira drasticamente reduzida e quase nula, no “Defender Europe 2020”, para lembrar a todos, especialmente a Rússia, que a Europa está sempre sob Controle militar dos EUA. Deve-se lembrar que as eleições nos EUA estão se aproximando e a história ensina que o gerenciamento de problemas de emergência muitas vezes fortalece a liderança daqueles que gerenciam essa emergência.Se Trump administrasse da melhor maneira a emergência, ele poderia ter uma grande legitimidade popular que lhe garantiria sua recondução à presidência. A gestão ideal da emergência, no entanto, em particular a gestão econômica pós-crise da saúde, exige medidas de confronto, colaboração e abertura para outros Estados que, no entanto, poderiam, em certo sentido, deslegitimar aqueles ideais políticos que trouxeram Trump à tona (sem pensar nos deveres), com o risco de perder o consenso entre os mais confiáveis, mas ganhar a confiança dos moderados. Esse vírus poderia marcar uma virada na política de Trump? Abandonará sua linha política soberana e nacionalista?

Para a Europa, a crise de emergência em saúde mostrou claramente como as decisões no contexto europeu, ao contrário do que todos pensam e como os partidos anti-europeus querem fazer crer, não têm uma sala de controle única e central que responda às instituições eletivas europeias ou de alguma forma legitimada pelas eleições. Essa emergência destacou como a Europa ainda é uma entidade quase fantasma, com espaço limitado para manobras, refém das decisões que os estados centrais consideram mais apropriadas. Obviamente, a falta de uma verdadeira identidade européia significa que cada nação tenta fazer seus próprios interesses. Chegou a hora de mudar nossa abordagem, se queremos que a Europa “real” comece a existir e seja o que os fundadores imaginavam. O Parlamento Europeu e a Comissão Europeia não devem ser reféns das declarações de cada Estado e dos “vetos” que alguns deles realizam no Conselho Europeu, mas decidem de forma independente para o bem dos cidadãos europeus. O vírus pode ser o inimigo comum a combater, o que poderia criar uma verdadeira identidade e cultura européia e marcar essa passagem histórica do “poder”. Uma irmandade européia que historicamente só pode faltar, pensando no fato de que a própria Europa nasceu do projeto americano de contrastar e controlar os objetivos políticos da Alemanha e o desejo da Rússia de se expandir para o oeste, e não como uma reação do próprio povo europeu. , pode agora surgir. O problema que não pode mais ser adiado é o de atribuir competência fiscal à União, quebrar a lógica que concentra o poder nas mãos do Conselho Europeu, composto por chefes de estado ou de governo nacionais, presidente do Conselho Europeu e presidente do Conselho Europeu. Comissão européia. Essa passagem complicada, que os movimentos federalistas europeus esperam, é necessária para falar de uma verdadeira Europa, na qual uma direção central se move no interesse de todos os cidadãos e de toda a união. Caso contrário, a situação não pode ser tão diferente do que estamos acostumados e o risco de uma divisão nos países europeus se torna uma possibilidade.

Para concluir, a situação que está se formando nas regiões sul do globo é de particular relevância. É claro que, quando a pandemia chegar aos países africanos, será necessária a ajuda dos países ricos para combater a disseminação dos mesmos, em nome da justiça social agora destacada nos últimos anos e alimentada pela atenção da mídia na luta pela justiça ambiental. Ainda mais interessante e preocupante, no entanto, é o cenário que está surgindo na América Latina, particularmente no Brasil, onde a negação e a posição atípica de Bolsonaro ante todo globo provavelmente pode lhe custar a presidência. O caso brasileiro demonstra uma luta de forças, onde contra a vontade dos governadores dos estados e dos cidadãos locais, que se sentem inseguros de poder voltar ao trabalho, pode gerar uma reação em cadeia de consequências imprevisíveis. Esses eventos, pela primeira vez após as eleições, fizeram com que o Ministro Mandetta tivesse mais popularidade e confiança que Bolsonaro, demonstrando o que foi dito antes que situações de emergência podem fortalecer a liderança, mas apenas se bem gerenciadas. Esse evento pode, portanto, marcar um ponto de virada para a política brasileira, com uma possível mudança de governo, que, é claro, se acontecer, provavelmente ocorrerá de maneira legítima.O amigo Trump, de alguma forma, tentará influenciar o destino do governo brasileiro? As entidades e organizações que veem Bolsonaro uma ameaça à estabilidade mundial, de alguma forma pressionarão uma mudança de governo? A partir da atual análise geopolítica rápida, pode-se ver como a emergência de saúde global desencadeou uma série de processos com resultados incertos, apenas teremos que observar com olhos atentos e ver o que acontecerá.

Aqui estão alguns links para as principais notícias do mundo relacionadas à dinâmica iniciada pela emergência em saúde:

https://formiche.net/2020/03/defender-europe-esercitazioni-annullate/

https://www.ilfattoquotidiano.it/2020/03/17/coronavirus-la-germania-annuncia-lo-stop-alla-missione-nato-defender-europe-20-ma-gli-usa-la-faremo- com-os-soldados-já chegou / 5740026 /

https://www.ilmessaggero.it/mondo/coronavirus_italia_unione_europea_news_ultime_notizie_oggi_26_marzo_2020-5133389.html

https://www.repubblica.it/esteri/2020/04/04/news/brasile_colpo_stato_jair_bolsonaro_destituito_militari-253073632/

https://www.lastampa.it/cronaca/2020/03/13/news/l-aiuto-cinese-all-italia-materiale-esperti-ei-risultati-del-lavoro-di-migliaia-di-medici- 1.38588578

https://www.corriere.it/economia/finanza/20_marzo_18/guerra-trump-covid-19-piano-500-miliardi-ogni-americano-assegno-1000-dollari-d08a4060-6931-11ea-913c-55c2df06d574. shtml

https://www.corriere.it/esteri/20_marzo_30/coronavirus-usa-aiuti-all-italia-arrivo-aziende-18-milioni-dollari-71511c2a-729d-11ea-bc49-338bb9c7b205.shtml

https://www.eurobull.it/le-responsabilita-del-consiglio-europeo-e-il-comitato-dei-nove-come-agire?lang=fr&fbclid=IwAR3S8SfuSpX9IyXLU6Z5-mNMcz-yBQYTfdl5au6ZEIfqRbSNJPIJN-LGkn4

Autor: Marco Cuccarese

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do Defesa em Foco em seu e-mail, é de graça!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui