Estado Islâmico / Reprodução

O Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelos dois ataques suicidas ocorridos durante um memorial no Irã, marcando o aniversário da morte do comandante Qassem Soleimani. As explosões ocorreram na cidade de Kerman, no sudeste do Irã, e resultaram na morte de quase 100 pessoas, além de ferir 284, incluindo mulheres e crianças. Este evento trágico é considerado um dos mais sangrentos desde a Revolução Islâmica de 1979.

Contexto e Reação do Irã

O vice-presidente do Irã, Mohammad Mokhber, prometeu uma “retaliação muito forte” em resposta ao ataque. O Conselho de Segurança da ONU condenou veementemente o atentado, enviando condolências às famílias das vítimas e ao governo iraniano. As autoridades iranianas inicialmente atribuíram as explosões a “terroristas” e, posteriormente, o Estado Islâmico confirmou sua autoria.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Histórico de Ataques do Estado Islâmico no Irã

O Estado Islâmico tem um histórico de ataques no Irã, incluindo um atentado letal em 2022 contra um santuário xiita e ataques em 2017 ao Parlamento iraniano e ao túmulo de Ruhollah Khomeini. Estes atos violentos refletem as tensões sectárias e geopolíticas na região.

Respostas Internacionais e Acusações

Os Estados Unidos negaram envolvimento nos ataques, classificando-os como atos de terrorismo, semelhantes aos anteriormente realizados pelo Estado Islâmico. Historicamente, Teerã tem acusado Israel e os Estados Unidos de apoiar grupos militantes anti-Irã. O assassinato de Soleimani em 2020 por um drone americano em Bagdá e a subsequente retaliação do Irã exacerbaram as tensões entre os EUA e o Irã, aumentando o risco de conflito.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).