Na última terça-feira, dia 30, a Escola Superior de Guerra (ESG), em colaboração com o Centro de Capacitação Física do Exército (CCFEx), abriu suas portas para um grupo muito especial: 35 pacientes do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) III, Maria do Socorro Santos, localizado na Rocinha, no Rio de Janeiro. Acompanhados por assistentes sociais e funcionários da unidade, os visitantes tiveram a oportunidade única de explorar importantes marcos culturais e históricos da cidade.

Descoberta e Conexão no Museu do Desporto

blank

O ponto alto da visita foi o percurso pelo Museu do Desporto do CCFEx, onde os visitantes puderam mergulhar na rica história do desporto militar no Brasil. O museu, que abriga um vasto acervo, proporcionou aos participantes uma viagem no tempo, revelando a importância e o impacto do desporto como parte integrante da formação e da vida dos militares brasileiros.

Momentos Emocionantes e Pessoais

Um dos visitantes, Gabriel Abdala, viveu momentos de particular emoção durante a visita. Ao explorar o museu, ele encontrou um elo pessoal com a história ao lembrar-se de seu avô, que foi jogador de futebol. As lembranças trouxeram à tona a relevância das histórias familiares e como elas se entrelaçam com a narrativa maior da nossa cultura e história. “A visita está sendo fantástica. A história faz parte da vida dos nossos ancestrais, dos que vieram antes e marcaram a nossa história”, destacou Gabriel, ressaltando como o passado ressoa com o presente.

Impacto e Relevância da Iniciativa

Este evento não foi apenas uma oportunidade para os pacientes do CAPS III de se envolverem com a história e cultura do desporto, mas também uma forma de inclusão social, oferecendo a eles uma experiência fora do cotidiano. Além disso, essa iniciativa reforça o papel das instituições militares como partes integrantes da comunidade, contribuindo para o bem-estar e a educação pública.

Continuidade e Perspectivas Futuras

A colaboração entre a ESG, o CCFEx e o CAPS III exemplifica como parcerias entre diferentes setores podem resultar em benefícios mútuos e impactos positivos substanciais. Espera-se que essa visita inspire outras iniciativas semelhantes, promovendo mais interações entre as forças armadas e a comunidade, e abrindo novos caminhos para a integração social e cultural.

Marcelo Barros, com informações do Ministério da Defesa
Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).