Estudantes participam do Ler - Salão Carioca do Livro, na Biblioteca Parque, no centro do Rio.

Em uma declaração impactante, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Luís Roberto Barroso, ressaltou a relação direta entre educação e criminalidade. Em um evento na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, Barroso enfatizou que 57% dos internos no sistema penitenciário não concluíram o ensino fundamental, destacando a necessidade urgente de investir na educação básica.

Educação: O Caminho para a Redução da Criminalidade

Barroso afirmou que a educação é o fator que faz a diferença na vida das pessoas, e a falta de acesso à educação de qualidade contribui para a superlotação do sistema prisional. Ele argumentou que o investimento em educação básica de qualidade, desde a primeira infância, é a estratégia mais eficaz para combater a criminalidade e evitar o aumento de vagas nas prisões.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

O Poder Transformador da Leitura

O ministro também destacou o poder transformador da leitura nos ambientes prisionais. Segundo a legislação brasileira, a cada livro lido, um interno pode reduzir até 48 dias de sua pena por ano. Barroso enfatizou que a leitura não apenas ajuda na ressocialização dos presos, mas também oferece a eles novas oportunidades após a prisão.

Desafios a Serem Superados

Barroso mencionou o Censo Nacional de Leitura em Prisões, que revelou que poucos internos têm acesso à remição da pena por meio da leitura devido a diversos obstáculos, como a proibição de certos títulos e a exclusão de pessoas com baixa escolaridade e migrantes. Ele ressaltou a importância de superar esses desafios para incentivar mais internos a lerem, visando não apenas a sua melhoria pessoal, mas também a redução da reincidência criminal.

A declaração do ministro Luís Roberto Barroso destaca a urgência de priorizar a educação como uma ferramenta essencial na construção de um sistema de justiça mais justo e na redução da criminalidade no Brasil.

Com info da Agencia Brasil

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).