Na última semana, o cenário de inovação e tecnologia na defesa nacional brasileira foi marcado por um evento de grande relevância: a visita do General de Divisão Tales Eduardo Areco Vilella, Diretor de Fabricação (DF), e do General de Divisão Cláudio Henrique da Silva Plácido, Chefe do Preparo da Força Terrestre – COTER, às instalações do SENAI-RJ. O propósito? Acompanhar de perto os avanços no desenvolvimento do Simulador de Procedimentos para Motorista da VBTP-MSR Guarani (SPM Guarani), um projeto gerenciado pela DF e que representa um salto qualitativo na preparação das nossas forças armadas.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

O avanço da parceria entre o Exército e a indústria nacional

blank

Essa visita não é apenas uma formalidade ou uma inspeção de rotina. Ela simboliza o fortalecimento de uma parceria estratégica entre as Forças Armadas Brasileiras e o setor industrial nacional, representado aqui pelo SENAI-RJ. Esta colaboração é um exemplo vivo do modelo de tríplice hélice, onde o desenvolvimento tecnológico e a inovação são impulsionados pela sinergia entre forças armadas, indústria nacional e a academia. O projeto do SPM Guarani reflete o comprometimento com a modernização e a eficiência operacional, evidenciando a capacidade nacional de desenvolver tecnologia de ponta aplicada à defesa.

O impacto da tecnologia na preparação militar

A introdução do SPM Guarani no treinamento dos motoristas das forças terrestres brasileiras é um marco. O simulador permite a reprodução de diversas situações de condução e manobra que um operador da VBTP-MSR Guarani pode enfrentar, desde condições climáticas adversas até cenários de combate, tudo isso em um ambiente seguro e controlado. Esta tecnologia representa um avanço significativo, pois proporciona uma experiência de treinamento realística, preparando melhor os militares para as missões, ao mesmo tempo em que reduz custos e riscos associados ao treinamento convencional.

Desafios

Durante a visita, o General Plácido e sua comitiva tiveram a oportunidade de dialogar com os técnicos responsáveis pelo desenvolvimento do simulador. Esses momentos de troca são cruciais, pois permitem que as autoridades militares compreendam não apenas as potencialidades do SPM Guarani, mas também os desafios enfrentados no seu desenvolvimento. Entre esses desafios, está a constante necessidade de atualização tecnológica e de adaptação do simulador às novas realidades operacionais que as forças armadas podem enfrentar.

A visita ao SENAI-RJ e o acompanhamento dos avanços no projeto do SPM Guarani ressaltam a importância de investimentos contínuos em tecnologia e inovação para a segurança nacional. Este projeto não só evidencia a capacidade nacional em desenvolver soluções tecnológicas avançadas para a defesa, mas também reforça a visão de que a modernização das forças armadas e a parceria entre os setores militar, industrial e acadêmico são pilares fundamentais para o desenvolvimento e a soberania do Brasil.

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).