Imersos na Era da Informação, em que somos defrontados por um crescente fluxo de conteúdos, advindos pelos mais diversos canais de comunicação, profissionais da Atividade de Inteligência desenvolvem um trabalho diuturno e diligente de seleção e análise de dados brutos para a produção de Conhecimentos úteis à tarefa de prover o melhor assessoramento ao processo decisório da Alta Administração Naval e de titulares de Organizações Militares, tanto no nível estratégico, quanto no operacional e tático.

As crescentes contestações da hegemonia mundial estadunidense e o surgimento de novos polos de poder econômico e militar lançam holofotes para os conflitos recentes por disputa territorial, em que capacidades tecnológicas emergentes e disruptivas são empregadas nos campos de batalha de forma cinética e informacional, provocando atualizações recorrentes de doutrinas e procedimentos, bem como mudanças significativas no cenário geopolítico. A guerra híbrida, transversal por definição a todos os domínios dentro de um conflito entre oponentes, utiliza-se cada vez mais da exploração e ataques cibernéticos, bem como da desinformação e propaganda adversa para consecução dos objetivos militares.

Para fazer frente a esses novos desafios, a preparação em tempo de paz requer um processo de formação profissional cada vez mais específico e uso de ferramentas que facilitem a coleta e o processamento de dados, assim como a detecção e classificação de ameaças, a fim de permitir o acompanhamento tempestivo das evoluções nos campos interno e externo, a preservação dos ativos, a salvaguarda da imagem e dos interesses da Força Naval, e a neutralização da inteligência adversa.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Para tanto, destaca-se a atuação assídua da Escola de Inteligência da Marinha na capacitação dos militares que atuam na Atividade de Inteligência, por meio de um diversificado programa de ensino, em constante aprimoramento, que forma mais de mil novos profissionais de Inteligência por ano, em suas instalações ou nas sedes dos Distritos Navais.

No dia da Atividade de Inteligência na Marinha, comemorado na data natalícia de seu patrono, Vice-Almirante HUMBERTO GIUDICE FITTIPALDI, rememoramos suas indeléveis qualidades profissionais e pessoais.

Por sua destacada atuação nos navios componentes da Força Naval do Sul e da Força Naval do Nordeste durante a Segunda Guerra Mundial, o Almirante FITTIPALDI foi condecorado com as medalhas de Serviço de Guerra com três estrelas da Campanha do Atlântico Sul e de bronze das Forças Navais do Sul e do Nordeste.

Ao organizar e conduzir o Serviço Secreto da Marinha, a partir de 1947, como primeiro Diretor, demonstrou abnegação, tenacidade e inconteste comprometimento com a Instituição, diante das inúmeras incertezas e dificuldades daquela época, qualidades pessoais indispensáveis a todos os envolvidos na produção de Conhecimento. Seu importante legado em formar uma cultura de Inteligência na Força Naval, consolidada e perpetuada pelos Titulares que o sucederam, deve servir de inspiração a todos os que labutam na Atividade, com o compromisso de transmiti-la às gerações vindouras.

Nesta data festiva cumprimentamos a todos os Analistas, Auxiliares de Analistas, Oficiais e Auxiliares de Inteligência e de Segurança Orgânica, Pesquisadores e Instrutores pela importância do seu trabalho para o cumprimento da missão da Marinha e pela dedicação incondicional ao exercício de suas funções.

Que a colaboração entre os integrantes do Sistema de Inteligência da Marinha, ou seja, entre todas as nossas Organizações Militares, estreite-se cada vez mais e que a mentalidade de Inteligência, em suas variadas matizes, espraie-se pelos nossos militares e civis.

Conhecimento é a nossa arma!

Argus!

Fonte: BONO Nº 685 DE 25 DE JULHO DE 2023

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).