O Brasil acaba de marcar um grande triunfo no mundo náutico. Os cinco atletas da Marinha do Brasil, que trouxeram para casa a vitória do 54º Campeonato Mundial Militar de Vela, organizado pelo Conselho Internacional do Esporte Militar (CISM), visitaram o Navio-Veleiro “Cisne Branco” nesta segunda-feira (19). Os sargentos Geison Mendes, Tiago Quevedo, Gustavo Thiesen, Georgia Rodrigues e Breno Kneipp, que brilhantemente asseguraram o primeiro lugar no pódio geral da competição, vencendo três das cinco regatas, tiveram a oportunidade de conhecer de perto as particularidades do emblemático navio.

A bordo do “Cisne Branco”

Eles disputaram o campeonato em Pireu, na Grécia, na semana passada, retornando com orgulho e honra para o nosso país. E, agora, estão navegando por novas águas, se familiarizando com as dinâmicas a bordo do “Cisne Branco”. “Está sendo uma excelente experiência a visita ao Navio-Veleiro ”Cisne Branco”. Estamos conhecendo um pouco do funcionamento, das dinâmicas a bordo e também verificando o que é similar e diferente dos veleiros onde a gente realiza nossos treinamentos e competições”, disse o Terceiro-Sargento Tiago Quevedo.

Agradeçendo à Marinha do Brasil

blank

Durante a visita, os campeões militares compartilharam as experiências obtidas durante a competição. “Eu estou muito feliz com a oportunidade de conhecer o `Cisne Branco´. O Comandante do navio nos recepcionou muito bem e é uma honra poder estar aqui para contar as situações vivenciadas na Grécia. Agradeço à Marinha do Brasil por tudo”, afirmou a Terceiro-Sargento Georgia Rodrigues.

Integração e troca de experiências

Para o Comandante do navio, Capitão de Mar e Guerra Sérgio Tadeu, receber os atletas campeões da Marinha em seu navio é uma excelente oportunidade para a troca de vivências. Segundo ele, esse tipo de interação permite uma maior integração entre os esportistas, que têm a vela como profissão, e os marinheiros do “Cisne Branco”, contribuindo assim para o aumento da mentalidade marítima. “A gente pôde conversar com detalhes sobre as particularidades dos barcos de menor porte”, concluiu o Comandante.

Essas trocas de experiências, além de enriquecerem a formação dos atletas e marinheiros, fortalecem os laços entre o esporte e a vida naval, demonstrando como o esporte pode ir além das competições e contribuir para a formação profissional e pessoal de cada um.