Rio de Janeiro (RJ) – Militares com deficiência participaram pela primeira vez das Olimpíadas do Exército. Esses atletas são militares reformados por terem sido acometidos por alguma lesão ao longo de suas carreiras. Eles competiram na modalidade paralímpica de Tiro com Arco. As Olimpíadas aconteceram de 9 a 16 de julho, na Escola Preparatória de Cadetes do Exército.

Quatro profissionais do Centro de Capacitação Física do Exército compuseram a equipe envolvida na preparação e organização da atividade, Coronel Glycério, Professora Míriam Mainenti, Capitão Nunes e Primeiro-Sargento Klinger. Também, dois alunos do Curso de Instrutor da Escola de Educação Física do Exército apoiaram na organização da competição, Primeiro-Tenente Bandeira e Primeiro-Tenente Plínio Ricardo.

A preparação dos militares incluiu uma ação em parceria com o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB): o Camping Militar Paralímpico. O Camping faz parte do Programa Militar Paralímpico do CPB e tem como objetivo identificar e treinar atletas para as modalidades, promovendo a prática desportiva e a inserção social das pessoas com deficiência. Os atletas paralímpicos destacaram-se também na cerimônia de abertura das Olimpíadas, no dia 9 de julho.

Os atletas paralímpicos disputaram as Olimpíadas do Exército, com 14 militares do Exército Brasileiro competindo na modalidade de Tiro com Arco Paralímpico. Os paratletas disputaram também o Torneio Bicentenário da Independência, nas modalidades de Tiro com Arco Paralímpico e Tiro Esportivo, com 46 militares com deficiência das Forças Armadas e das Forças Auxiliares, participantes do Camping, sendo 22 atletas do Exército Brasileiro.

O pioneirismo do Exército Brasileiro na inclusão de militares com deficiência em uma Olimpíada é parte importante da evolução do esporte nas Forças Armadas.

Fonte: Centro de Capacitação Física do Exército



Marcelo Barros, com informações e imagens do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui