Em uma demonstração de força, determinação e espírito de equipe, Os Netunos, a equipe de paraquedismo da Marinha do Brasil, deixaram sua base em Boituva para enfrentar um desafio ímpar: a escalada da Pedra da Gávea, no Rio de Janeiro. Este desafio, ocorrido em 17 de janeiro, não foi apenas uma atividade física, mas também um exercício cognitivo e de coesão grupal, marcando o início da Jornada 2024 da equipe com um propósito firme e inspirador.

Superação e União: Pilares da Jornada

Snapinsta.app 419294826 917524033100521 5159145240618718326 n 1080

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

A escalada reuniu elementos essenciais para o sucesso de qualquer equipe militar: o espírito de corpo, a ajuda mútua e a capacidade de enfrentar desafios físicos. Estes fatores, juntamente com a higidez física, preparo mental e dinâmica de grupo, foram cruciais para que a equipe superasse os desafios impostos pela natureza imponente da Pedra da Gávea. Este tipo de atividade é vital para manter a prontidão e a coesão da equipe, elementos fundamentais para os paraquedistas da Marinha.

A Conquista e a Recompensa: Uma Visão Única

Ao final da escalada, os membros dos Netunos foram recompensados com uma visão espetacular do Rio de Janeiro, sob um céu claro e um mar tranquilo. A beleza do panorama serviu como um lembrete do valor do esforço conjunto e da superação de obstáculos. Para os Netunos, superar desafios com alegria e união, mantendo-se irmanados pelo Espírito de Corpo, é mais do que uma prática; é uma filosofia de vida.

Os Netunos: Espírito de Corpo como Alma da Equipe

Snapinsta.app 419599139 7850885428274888 479282660045920547 n 1080

A jornada dos Netunos na Pedra da Gávea simboliza o espírito que anima esta equipe especial da Marinha: a busca contínua pela excelência, o comprometimento com o trabalho em equipe e a superação constante de desafios. Através de atividades como esta, Os Netunos não apenas mantêm sua excelência física e mental, mas também reforçam o espírito de camaradagem e apoio mútuo, essenciais no mundo do paraquedismo e nas operações militares.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).