A atuação conjunta das Forças Armadas e de órgãos de segurança pública, em especial a Marinha do Brasil e a Receita Federal, tem se mostrado uma estratégia eficaz no combate ao tráfico internacional de drogas. A recente apreensão de 1,3 tonelada de cocaína, avaliada em mais de R$ 330 milhões, no Porto do Rio de Janeiro, é um exemplo contundente dessa eficácia. A droga, escondida em sacas de café destinadas ao Porto da Antuérpia, na Bélgica, foi descoberta graças à operação “Lais de Guia”, que faz parte do contexto mais amplo da Garantia da Lei e da Ordem (GLO).

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Mecanismos de Ação Integrada

blank

A operação destacou o papel crucial dos cães farejadores, membros não humanos das forças de segurança, que com seu olfato aguçado, foram decisivos na identificação do entorpecente. A colaboração entre a Marinha do Brasil e a Receita Federal, com o apoio da Polícia Federal e da Guarda Portuária, ilustra a efetividade da tríplice hélice – forças armadas, indústria nacional e academia – aplicada à segurança pública, onde a sinergia e a integração interagências potencializam os resultados das operações.

Impacto da Operação “Lais de Guia”

Nomeada em alusão a um nó marinheiro conhecido por sua utilidade e confiabilidade, a operação “Lais de Guia” simboliza a robustez e a precisão necessárias nas ações de combate ao tráfico de drogas. Sua implementação ocorre em um período estratégico, sob a vigência do decreto de GLO, reforçando as fronteiras, portos e aeroportos contra delitos. A atuação preventiva e repressiva estende-se até maio de 2024, demonstrando o comprometimento do Brasil em assegurar não apenas a segurança de suas fronteiras, mas também em participar ativamente da luta global contra o tráfico de drogas.

Fomento à Participação Cidadã

A operação também sublinha a importância da colaboração cidadã. O incentivo ao DISQUE DENÚNCIA é um chamado à população para que seja parte ativa na segurança nacional, evidenciando a compreensão de que a segurança pública é uma responsabilidade compartilhada entre Estado e sociedade. Essa abordagem reflete um entendimento moderno de defesa e segurança, onde a informação e a participação popular são tão críticas quanto a ação direta dos órgãos de segurança.

A operação “Lais de Guia” no Porto do Rio é um marco não só pelo volume de drogas apreendido mas também pelo exemplo de eficiência, integração e colaboração entre diferentes órgãos e forças. Reforça a imagem do Brasil no cenário internacional como um país comprometido com a luta contra o tráfico de drogas e a segurança global. Essa ação conjunta é um lembrete poderoso do potencial que reside na cooperação interagencial, na aplicação da inteligência e na mobilização da sociedade em prol de um objetivo comum.

Marcelo Barros, com informações da Agência Marinha
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).