NPqHo “Vital de Oliveira” em atividades de pesquisa na Amazônia Azul

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em parceria com a Marinha do Brasil, anuncia o início de um projeto revolucionário: o mapeamento da vocação econômica da costa brasileira, começando pela Região Sul. Este projeto, denominado “Planejamento Espacial Marinho” (PEM), representa um marco significativo para o país, abrangendo uma extensão de cerca de 5,7 milhões de quilômetros quadrados.

Recursos Naturais e Minerais: Pilares do Desenvolvimento Sustentável

O PEM não se limitará a mapear os recursos naturais e minerais, mas também delineará os caminhos para o desenvolvimento econômico, a preservação ambiental e a consolidação da soberania nacional. A iniciativa está alinhada aos compromissos assumidos pelo Brasil na Conferência Internacional dos Oceanos de 2017, onde se comprometeu a implantar o PEM em toda a sua costa até 2030.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Escolha Estratégica da Região Sul

A escolha da Região Sul como ponto de partida do PEM, que inclui os litorais de Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, se baseia em critérios técnicos da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM). Esta região se destaca pela existência de pleitos de utilização do espaço marítimo para geração de energia eólica offshore, além de abrigar cinco portos significativos e ser um corredor vital para a migração de espécies marinhas.

Economia Azul: Motor Propulsor de Novas Oportunidades

O BNDES enfatiza que o planejamento do PEM é o “motor propulsor” da economia azul do país. Este conceito engloba a segurança jurídica para investidores, a geração de empregos e a promoção de divisas para o Estado costeiro, representando um equilíbrio entre aproveitamento econômico e preservação ambiental.

Financiamento e Execução do Projeto

O projeto, orçado em R$ 7 milhões, será financiado pelo BNDES em uma modalidade não reembolsável. A instituição também será responsável pelo alinhamento dos estudos com os setores impactados, assegurando uma abordagem integrada e sustentável.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).