NHiB “Comandante Manhães” fundeado nas proximidades do arquipélago de Fernando de Noronha, durante operação de reestabelecimento de boia

No dia 26 de abril, o Navio Hidrográfico Balizador (NHiB) “Comandante Manhães” efetuou a operação de reestabelecimento do sinal de perigo isolado no Porto de Santo Antônio, localizado no Arquipélago de Fernando de Noronha (AFN). Essa ação complexa e de grande importância envolve o afastamento da boia a ser substituída e o lançamento do novo sinal.

O novo sinal é constituído por duas poitas (blocos de concreto que funcionam como “âncoras”), cerca de 30 metros de amarra e a própria boia. Juntas, estas partes formam um dispositivo pesando aproximadamente dez toneladas. Após a instalação do novo sinal, o antigo dispositivo deve ser recolhido o mais rápido possível. A operação completa durou cerca de dez horas, envolvendo todos os militares da tripulação do NHiB “Comandante Manhães”.

A Importância da Operação

O reestabelecimento do sinal de perigo é uma ação crucial para a segurança marítima. Este sinal, localizado no Porto de Santo Antônio, é um importante indicativo para a navegação na região, orientando embarcações a fim de evitar acidentes. Essa operação adquire ainda maior relevância quando consideramos que o Arquipélago de Fernando de Noronha é um Patrimônio Natural Mundial, reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Fernando de Noronha: Um Patrimônio Natural Mundial

O AFN está localizado a cerca de 545 quilômetros da costa brasileira, sendo composto por 21 ilhas, ilhotas e rochedos que, juntas, somam cerca de 26 km². Este arquipélago é considerado Patrimônio Natural Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, destacando-se pela rica biodiversidade e beleza natural única.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).