Na madrugada de sexta-feira (3), um incidente crítico testou a prontidão da Marinha do Brasil (MB). Dois navios rebocadores, identificados como Grega XXI e Grega XXIII, entraram em colisão com a nova ponte do Guaíba, em Porto Alegre.

blank
Força Naval coordena retirada de embarcações que colidiram com a nova ponte do Guaíba

Rapidamente, a Capitania Fluvial de Porto Alegre (CFPA) foi acionada e coordenou uma operação de remoção eficiente dessas embarcações. O rebocador Mossoró, da empresa Sulnorte, foi essencial nessa operação, que felizmente concluiu-se sem maiores danos à estrutura da ponte ou causar poluição hídrica.

Intensificação do Apoio às Vítimas das Enchentes

Família resgatada por militares do EsqdHU-1 – Imagem: Marinha do Brasil

Desde 30 de abril, a MB tem desempenhado um papel vital em resposta às severas enchentes que atingiram o estado. Em uma mostra de força e humanidade, a Marinha mobilizou quatro aeronaves e dois pelotões de Fuzileiros Navais, resultando no resgate de mais de 100 pessoas em situações de risco, incluindo dois bebês e uma mulher grávida de gêmeos, além de animais domésticos, apenas neste domingo (5). As aeronaves do 1º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral do Sul (EsqdHU-51) e outras unidades têm sido fundamentais para alcançar áreas remotas e realizar resgates eficazes.

Logística de Apoio Continuado

Além das operações de resgate, a MB também está envolvida no transporte vital de alimentos, água e combustível. Este fim de semana viu a Força transportar uma tonelada de mantimentos para a região de Lajeado e 1.200 litros de querosene de aviação, que serão utilizados para abastecer aeronaves militares e civis envolvidas nos esforços de resgate. No dia seguinte, o Navio-Patrulha “Babitonga” e o Navio-Patrulha Oceânico “Amazonas” partirão para Porto Alegre para fornecer suporte adicional, reabastecendo as equipes no terreno e entregando mais gêneros para doação à população afetada.

Compromisso com a Comunidade e o Futuro

A instalação de um hospital de campanha no Vale do Taquari é mais um exemplo do compromisso da Marinha com a recuperação e o apoio continuado às comunidades atingidas. A coordenação e a entrega efetiva de ajuda, gerenciadas pela Marinha do Brasil, não apenas aliviam o sofrimento imediato, mas também estabelecem a base para uma recuperação sustentável e de longo prazo das áreas afetadas.

Marcelo Barros, com informações da Agência Marinha
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).