A Marinha do Brasil oferecerá uma oportunidade ímpar para a população conhecer de perto uma das suas embarcações mais emblemáticas. A Corveta “Caboclo”, sob o comando do 2º Distrito Naval, estará aberta para visitação pública no Porto de Maceió, neste domingo, dia 12 de maio, das 10h às 16h.

MISSÃO E IMPORTÂNCIA NA DEFESA DA SOBERANIA BRASILEIRA

Desde o dia 5 de maio, a Corveta “Caboclo” está em viagem, cumprindo missões fundamentais de apoio logístico ao Radiofarol de Abrolhos e patrulha naval na Zona Econômica Exclusiva. Essas atividades visam garantir a soberania brasileira na chamada Amazônia Azul, área marítima de imensa importância estratégica para o país. A abertura para visitação pública tem o propósito de despertar sentimentos de cidadania e patriotismo nos brasileiros que tiverem o privilégio de conhecer a embarcação.

TRADIÇÃO E MODERNIDADE NA CORVETA “CABOCLO”

A Corveta “Caboclo” carrega consigo uma rica história e características que a tornam singular. Incorporada à Marinha do Brasil em 16 de julho de 1955, é o quarto navio a ostentar esse nome. Pertencente à Classe Imperial Marinheiro, passou por uma significativa revitalização entre os anos de 2006 e 2008, tornando-se o navio mais antigo navegando em águas salgadas da Amazônia Azul. Atualmente, integra o Grupamento de Patrulha Naval do Leste, desempenhando diversas funções, como operações de socorro e salvamento marítimos, patrulha naval, minagem e reboque.

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

  • Classe: Imperial Marinheiro
  • Deslocamento: 911 (Padrão) / 1.025 (Máximo)
  • Dimensões (m): 56 / 9.55 / 3.6
  • Propulsão: 2 motores de combustão interna diesel Volvo Penta de 1.080 bhp cada
  • Tração Estática: 17 toneladas
  • Eletricidade: 2 geradores diesel de 140 kW e 1 gerador diesel de reserva de 75 kW
  • Velocidade Máxima: 13 nós
  • Armamento: 1 canhão de 3 pol. (76,2 mm/50) Mk 26, 4 metralhadoras Oerlikon Mk 10 de 20 mm/70 em reparos singelos.

A visita à Corveta “Caboclo” promete ser uma oportunidade enriquecedora para os visitantes, que terão a chance de conhecer de perto o trabalho e a tecnologia empregada em uma das mais importantes embarcações da Marinha do Brasil.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).