Agencia Brasil

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, tomou uma medida importante para reforçar a segurança no Brasil. Ele assinou um decreto convocando as Forças Armadas para operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em aeroportos e portos estratégicos do país. Esta operação integrada visa combater o crime organizado, uma ameaça que tem crescido nos últimos tempos.

Uma Resposta Decisiva ao Crime Organizado

O ato presidencial estabelece a criação de uma operação coordenada de combate ao crime organizado nos aeroportos de Guarulhos e do Galeão, bem como nos portos de Santos, Itaguaí e na cidade do Rio de Janeiro. A GLO, como é conhecida, terá validade até maio do próximo ano nesses locais, mas o presidente deixou claro que se for necessário, mais portos e aeroportos serão reforçados.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Lula reconheceu a crescente escalada da violência e reiterou o compromisso do governo federal em participar ativamente do combate ao crime organizado, ao tráfico de drogas e armas, trabalhando em conjunto com os governos estaduais.

Medidas Específicas para o Rio de Janeiro

Para o estado do Rio de Janeiro, o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), em parceria com o governo estadual, implantará o Comitê Integrado de Investigação Financeira de Recuperação de Ativos (CIFRA). O objetivo é enfraquecer o poder financeiro das quadrilhas criminosas que atuam na região.

Além disso, Lula assegurou que a Polícia Federal (PF) intensificará suas operações de inteligência, prisões e apreensões de bens ligados às quadrilhas e milícias, especialmente no Rio de Janeiro. A PF e a Força Nacional de Segurança Pública manterão seus efetivos extras em operação tanto na cidade do Rio quanto nas rodovias federais do estado.

Reforçando a Segurança nas Fronteiras

A operação também inclui medidas em estados que fazem fronteira com outros países, como Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná. Nesses casos, não será necessária a GLO. O Exército e a Aeronáutica atuarão em coordenação com a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal na faixa de fronteira.

Haverá um reforço significativo de efetivos e equipamentos da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Força Nacional em cinco estados.

A Marinha na Baía da Guanabara e Mais

A Marinha do Brasil também será mobilizada e ampliará sua atuação, especialmente na Baía da Guanabara e na Baía de Sepetiba, ambas no Rio de Janeiro, nos acessos marítimos ao Porto de Santos e no Lago de Itaipu.

O Ministério da Justiça e Segurança Pública e o Ministério da Defesa coordenarão um comitê para acompanhar as ações e apresentar um plano de modernização tecnológica, visando melhorar a atuação das forças de segurança em portos, aeroportos e fronteiras.

Esta é uma medida decisiva para reforçar a segurança em todo o país e combater o crime organizado de forma eficaz, garantindo a tranquilidade dos cidadãos brasileiros.

Com info da Agencia Brasil

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).