Em um evento marcante na Base Aérea de Boa Vista, o Capitão-Tenente Diego Vandré Barros Araujo, Oficial da Marinha do Brasil, concluiu com sucesso o Curso de Formação de Líder de Esquadrilha de Caça (CFLEC) da Força Aérea Brasileira (FAB). Este momento simboliza não apenas a competência e dedicação do Capitão-Tenente Vandré, mas também a parceria contínua e histórica entre as Forças Armadas do Brasil.

Um Curso Desafiador e Multifacetado

O CFLEC, um dos cursos mais prestigiados da Aviação de Caça brasileira, é um programa extensivo que aborda desde a formação básica de liderança em voos em formação até voos técnicos envolvendo missões de ataque, combate aéreo e reconhecimento armado. O curso, que inclui missões diurnas e noturnas, representa um alto nível de habilidade e conhecimento, essencial para a eficácia operacional das forças de defesa do país.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Colaboração entre Marinha e Força Aérea

CT VANDRE

A formatura do Capitão-Tenente Vandré é um testemunho da colaboração efetiva entre a Marinha e a Força Aérea Brasileira. Esta interação não só reforça a capacidade de operação conjunta das Forças Armadas, mas também sublinha a importância de uma formação abrangente e integrada para enfrentar os desafios do cenário de defesa atual.

Um Legado de Cooperação

A trajetória do Capitão-Tenente Vandré na FAB ecoa a história de cooperação entre a Marinha e a Força Aérea, uma parceria que remonta a 1941, quando as Aviações Militares do Exército Brasileiro e Naval foram integradas à recém-formada FAB. Este legado de colaboração continua a fortalecer as capacidades de defesa do Brasil e a promover a integração entre as diversas forças armadas.

Fortalecimento da Defesa Através da Integração

O retorno do Capitão-Tenente Vandré à Marinha, agora equipado com habilidades avançadas em liderança de esquadrilha de caça, é um exemplo inspirador de como a integração e o intercâmbio de experiências entre as forças armadas podem enriquecer e fortalecer a defesa nacional. A formatura representa não apenas um feito pessoal, mas também um avanço na capacidade conjunta e na prontidão operacional das Forças Armadas Brasileiras.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).