blank

O Laboratório de Simulações e Cenários (LSC), da Escola de Guerra Naval (EGN), em parceria com o Centro de Estudos Político-Estratégicos da Marinha (CEPE-MB) realizou o I Ciclo de Boas Práticas Prospectivas em Planejamento, com o fim de promover debates sobre o emprego da prospectiva em planejamento, o compartilhamento de experiências entre os diversos órgãos públicos e privados, auxiliando no processo de aprendizado entre os presentes.

O evento foi organizado pelo Professor Dr. Mauricio Marques de Faria, UFRJ; Doutorando Cesar Castello Branco Martins, UFF; Mestre Zoraia Saint Clair Branco, FGV; e a Mestranda Maria Eduarda Calil Jorge Vieira, UFF.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

blank
Doutorando Cesar Castello Branco Martins realizou a abertura do I Ciclo de Boas Práticas Prospectivas em Planejamento

A abertura do ciclo foi feita pelo Doutorando Cesar Castello Branco Martins, na qual deu boas vindas aos presentes e fez uma breve introdução sobre o I Ciclo de Boas Práticas Prospectivas em Planejamento.

blank
Thiago de Moraes Moreira, Petrobras

A primeira apresentação, Thiago de Moraes Moreira, Consultor de Cenários da Estratégia Corporativa da Petrobras, mostrou aos presentes os desafios para criar o Cenários Petrobras 2040, explicando que a criação de cenários vem de uma série de inquietudes na empresa. Com essas inquietudes são produzidas variáveis chave (elevados graus de incerteza e elevados graus de impacto) criando narrativas para definir um ponto de partida embasando o estudo prospectivo e assim criando as forças matrizes, definindo o macro ambiente. Outro ponto importante dito, foi mostrar que os cenários não são medidos pelos graus de acertos, cenários não é uma previsão, mas sim a capacidade da equipe construir futuros alternativos consistentes, plausíveis e lógicos, sendo capaz de contar três histórias convincentes e radicalmente diferentes, isso é um bom cenário.

blank
Luciola Alves Magalhães, Embrapa

Na segunda apresentação, Luciola Alves Magalhães, do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Territorial, mostrou a importância dos cenários para uma previsibilidade de como o Brasil deve se portar para a agricultura 4.0 e seu apoio na tomada de decisão dos gestores. Uma grande dificuldade dos estudos de cenários da Embrapa tem sido gerenciar o passado, presente e futuro. No Brasil temos tecnologia de ponta, mas ainda muitas famílias rurais presas no passado, sendo necessário criar cenários para abranger a todos.

blank
Paulo Gustavo Franklin de Abreu, Avibras em apresentação remota

Com a terceira apresentação, Paulo Gustavo Franklin de Abreu, Diretor Comercial da Avibras, mostrou a importância dos cenários na Base Industrial da Defesa e os desafios do setor.

blank
Professora Dra. Elaine Marcial

Concluída as palestras ocorreu um debate, com a professora Doutora Elaine Marcial como moderadora, onde os presentes tiraram dúvidas sobre os temas abordados.