Nos dias 17 e 18 de abril, uma significativa demonstração de cooperação militar ocorreu entre a Marinha do Brasil e o Exército da França, marcando um passo importante no fortalecimento dos laços entre as duas nações. Militares do Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil e representantes do Exército Francês reuniram-se no Complexo Naval da Ilha do Governador para uma série de exercícios combinados, promovendo um intercâmbio enriquecedor de conhecimentos e táticas militares.

Diversidade e Intensidade dos Treinamentos

blank
Exercício de tiro realizado pelo Batalhão de Artilharia de Fuzileiros Navais

Sob a coordenação do Comando da Divisão Anfíbia (ComDivAnf), os participantes engajaram-se em uma ampla gama de atividades, que incluíram oficinas de planejamento militar e desenvolvimento de doutrinas de embarcação, além de táticas de artilharia e operações urbanas. No 2º Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais (Batalhão Humaitá), os exercícios práticos proporcionaram aos militares a oportunidade de praticar embarques em veículos anfíbios e conduzir operações em ambiente urbano, técnicas cruciais para a eficácia das missões modernas.

Intercâmbio de Conhecimentos e Técnicas

A interação também incluiu um exercício combinado com a utilização de veículos blindados, envolvendo o Batalhão de Blindados de Fuzileiros Navais e o Batalhão de Viaturas Anfíbias, além dos militares do 2º Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais. Veículos franceses como o VBMR 6×6 Griffon, o VAB 4×4, e o VBL Panhard 4×4 foram empregados, permitindo aos militares uma comparação direta e prática dos diferentes sistemas de meios blindados e aprimorando o entendimento mútuo das capacidades operacionais de cada nação.

Relevância Estratégica e Compromisso Continuado

Esses exercícios não apenas reafirmam a parceria estratégica entre Brasil e França, mas também sublinham o compromisso da Marinha do Brasil em manter-se alinhada com os padrões internacionais mais elevados de defesa e segurança. A iniciativa conjunta serve como um testemunho do engajamento contínuo de ambos os países em promover a paz e a estabilidade regionais através de uma colaboração militar efetiva e mutuamente benéfica.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).