Explosão do artefato danificou a lateral do coletivo (Foto: divulgação)

A noite de quarta-feira (27) foi marcada por um ato de violência que chocou os cariocas. Terroristas lançaram um artefato explosivo de fabricação caseira em um ônibus que trafegava pela Avenida Brasil, uma das principais vias da cidade do Rio de Janeiro. O ataque ocorreu na altura da comunidade Joana D’Arc, em Costa Barros, zona norte da cidade.

Vítimas e Consequências

Três pessoas foram diretamente afetadas pela explosão. Elas foram prontamente socorridas e encaminhadas para o Hospital Municipal Albert Schweitzer, localizado em Realengo, zona oeste. De acordo com informações da Secretaria Municipal de Saúde, duas dessas vítimas estão em quadro estável, enquanto a terceira já teve a sorte de receber alta hospitalar. A rápida assistência médica foi crucial para garantir que não houvesse consequências mais graves.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Reforço na Segurança e Apelo das Autoridades

Em resposta ao ataque, a Polícia Militar informou que o policiamento na região de Costa Barros foi intensificado. A segurança dos cidadãos é uma prioridade, especialmente em áreas que têm sido palco de episódios de violência. Além disso, o Rio Ônibus, sindicato que representa as empresas de ônibus da cidade, emitiu uma nota lamentando profundamente o ocorrido. O sindicato destacou a crescente onda de violência que tem afetado o setor e fez um apelo veemente para que as autoridades tomem medidas urgentes para garantir a segurança da população.

Um Apelo por Mudanças

O ataque na Avenida Brasil é mais um episódio que evidencia a urgente necessidade de ações concretas na área de Segurança Pública no Rio de Janeiro. Não só o Estado, mas o Governo Federal tem que atuar mais diretamente para tentar reverter esse cenário de desordem. A população, diariamente exposta a riscos, anseia por mudanças que garantam seu direito básico de ir e vir sem medo. É imperativo que as autoridades competentes atuem de forma efetiva para combater o crime e restaurar a paz na cidade.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).