Freepik

Na sexta-feira (10), a Rússia intensificou seus ataques aéreos na Ucrânia, fazendo soar sirenes de alerta em todo o país. Várias explosões foram ouvidas em Kiev e a cidade de Zaporizhia foi o principal alvo, sendo atingida com pelo menos 17 mísseis em apenas uma hora. A Rússia atacou instalações de alta tensão em várias cidades do leste, sul e oeste da Ucrânia, causando interrupção no fornecimento de energia. A Força Aérea ucraniana informou que a Rússia disparou seis mísseis de cruzeiro Kalibr e pelo menos 35 mísseis S-300 (terra-ar), além de lançar sete drones Shahed contra pontos estratégicos no país.

A intensificação dos ataques ocorreu um dia após a visita do presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, a Bruxelas, onde ele participou de uma cúpula extraordinária da União Europeia. De acordo com o Exército de Kiev, “o inimigo [Rússia] atingiu cidades e infraestruturas essenciais na Ucrânia”. Até o momento, não há dados sobre eventuais vítimas.

A operadora de rede elétrica da Ucrânia, Ukrenergo, informou que várias instalações no leste, sul e oeste do país foram atingidas, causando interrupção no fornecimento de energia. A cidade de Zaporizhia, que abriga a maior central nuclear da Europa, é uma das mais afetadas. Em Kiev, foram ouvidas pelo menos três explosões e a defesa aérea está ativa na região. Em Kharkiv, as autoridades ainda estão tentando obter informações sobre eventuais vítimas e danos.

As autoridades locais pediram aos civis que se abrigassem devido ao alerta de possíveis novos ataques e sirenes foram ouvidas por todo o país durante a manhã. O governador da região sul de Odessa, Maksym Marchenko, disse que “a aviação inimiga está no ar” e que “o alerta será longo”. O assessor do ministro da Administração Interna da Ucrânia, Anton Gerashchenko, também alertou nas redes sociais para “ameaças de um ataque maciço com rockets russos”.

Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).