Marinha do Brasil e Marinha da Namíbia realizam exercício conjunto em prol da interoperabilidade e da manutenção da estabilidade no Atlântico Sul

O Navio-Patrulha Oceânico (NPaOc) “Araguari”, subordinado ao Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Nordeste (ComGptPatNavNE), esteve atracado em Walvis Bay, na Namíbia, no período entre 10 e 13 de fevereiro, após ter participado do Exercício Multinacional “Obangame Express 2023”.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Navio da Marinha Namibiana, “NS Elephant” e Navio da Marinha do Brasil, NpaOc “Araguari” durante exercício “Leap Frog”

No dia 13 de fevereiro, logo após a desatracação do Porto de Walvis Bay, o NPaOc “Araguari” realizou exercício de “Leap Frog” com o Navio-Patrulha “NS Elephant”, da Marinha da Namíbia. O exercício consiste na aproximação lateral por um dos bordos e na manutenção da posição relativa entre os navios, a uma distância de, aproximadamente, 50 metros, e teve como objetivo incrementar o adestramento das tripulações dos dois navios.

Em seguida, foram realizados exercícios de abordagem nos conveses dos dois navios, oportunidade na qual foram cumpridas as fases de interrogação, aproximação, embarque, separação, inspeção e, após encontrarem o ilícito, procederam com a simulação do apresamento da embarcação e apreensão dos tripulantes.

Após ter participado do Exercício Multinacional “Obangame Express 2023”, o navio “Araguari” segue realizando adestramentos em prol da segurança na região do Golfo da Guiné

Após os exercícios, foi realizada uma reunião de crítica com os militares da Marinha do Brasil e da Marinha da Namíbia, a fim de reforçar as boas práticas e identificar as oportunidades de melhorias em cada procedimento. Os exercícios contribuíram para o fortalecimento dos laços de amizade e interoperabilidade entre a Marinha do Brasil e a Marinha da Namíbia, em prol da manutenção da estabilidade no Atlântico Sul, conforme previsto nos objetivos da Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul.

Marcelo Barros, com informações da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).