A Internet das Coisas (IoT) na indústria de defesa, também conhecida como Internet das Coisas Militares (IoMT) ou Internet das Coisas do Campo de Batalha (IoBT), está em seus estágios iniciais.

A GlobalData prevê que as principais empresas como Northrop Grumman, Boeing, Lockheed Martin, Thales, BAE Systems, L3 Harris Technologies, Leonardo DRS, e Airbus, farão parte da revolução da IoMT.

Abaixo estão algumas das principais tendências tecnológicas que impactam o tema IoMT nos próximos 12 a 24 meses, conforme identificado pelo GlobalData.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

IA e análises

A Inteligência Artificial é um elemento essencial para o uso ideal do IoMT, pois permite uma análise mais eficiente das vastas quantidades de dados que fluem a uma taxa alta de um número cada vez maior de dispositivos de borda.

A inteligência relacionada à defesa/segurança vem principalmente na forma de inteligência de código aberto (OSINT), logística, suporte e manutenção e inteligência no campo de batalha. Com cerca de 80% das informações disponíveis na Internet, outras fontes de mídia e redes sociais, a análise se baseou em sistemas especializados.

A análise de big data pode digitalizar através de um volume maior de dados e, ao mesmo tempo, reduzir o ruído associado usando tecnologias de IA, como aprendizado de máquina. Logística, suporte e manutenção se beneficiam enormemente da análise de big data.

A manutenção preditiva ou baseada em condições pode reduzir custos e aumentar a disponibilidade de plataformas. Dependendo do cliente e de suas preocupações de segurança, bem como dos recursos industriais disponíveis, o IoMT, em conjunto com análises de big data e logística baseada em desempenho (PBL), é uma combinação altamente promissora para a indústria de defesa.

Finalmente, espera-se que a inteligência no campo de batalha IoMT mantenha uma abordagem centrada no ser humano ou no homem no circuito. Devido à sua natureza, que envolve disparos contra alvos, especialmente quando se trata de operações em áreas civis, sempre será necessária a identificação e liberação humanas para disparos. Existem muitos dilemas éticos que surgem dessa necessidade, que devem atuar como barreiras à rápida expansão do IoMT no campo de sistemas armados não tripulados. Para esse segmento de mercado específico, é importante que um usuário invista na qualidade e quantidade de seus sensores, para poder reconhecer e identificar metas.

A IA ainda experimenta questões relacionadas à causalidade. Por exemplo, as máquinas nem sempre podem dizer a diferença entre um homem segurando um taco de beisebol e uma arma e, se encontrar uma resposta, nem sempre pode explicar o porquê. Esse é um aspecto extremamente importante, especialmente para o domínio de segurança, onde sistemas não tripulados com tecnologia de IA, especialmente quando operam em enxames, podem eventualmente realizar suas missões perto de civis e ativos civis.

Em termos dos dilemas morais apresentados, as pessoas relutam em ter nas proximidades um sistema não tripulado que possa decidir por si mesmo o que ou quem consiste em uma ameaça, mesmo que a taxa de precisão do algoritmo seja a mais alta possível.

Muitos empreiteiros de defesa já oferecem suas soluções para análise e monitoramento de saúde de sistemas OSINT, que também estão disponíveis para o mercado civil. Exemplos dessas empresas são Northrop Grumman, Lockheed Martin, Boeing, ESRI e Palantir Technologies.

Sensores

A tecnologia do sensor está evoluindo rapidamente. Sensores de EO / IR, radar, sonares, detectores de movimento ou som têm suas capacidades aumentadas à medida que a tecnologia que incorporam melhora. Por exemplo, o EO / IR pode ver mais, em condições climáticas e atmosféricas muito mais difíceis, seja dia ou noite, em comparação com apenas alguns anos atrás.

Os radares de matriz faseada podem realizar várias tarefas, coletando simultaneamente informações nos domínios terrestre, marítimo ou aéreo, sem perder a cobertura ou a precisão do alcance. Além disso, a tecnologia de subcomponentes permite que esses sensores sejam fabricados em miniatura, permitindo sua integração em várias plataformas.

Portanto, os desenvolvimentos na tecnologia de componentes aumentam rapidamente os recursos das backbones da IoMT. Também mudará o cenário comercial, pois os fabricantes de subsistemas permanecerão na vanguarda do mercado, fechando a lacuna com os fabricantes de plataformas.

Sistemas de monitoramento de saúde

O domínio dos sensores não inclui apenas os exemplos acima mencionados (radar, sonar, etc.). Nos últimos anos, a indústria de defesa vem desenvolvendo sensores altamente tecnológicos capazes de monitorar o estado de saúde de um sistema. Essas ferramentas fazem mais do que simplesmente alertar o operador de uma plataforma sobre um mau funcionamento. Eles combinam a entrada do sensor e a análise de dados para oferecer dados de análise preditiva para falhas ou mau funcionamento muito antes de aparecerem.

Os gastos com logística, na forma de peças de reposição e custos do ciclo de vida, serão reduzidos, pois os usuários poderão otimizar sua cadeia de suprimentos logística, ao mesmo tempo, aumentando a disponibilidade de sistemas e plataformas.

Processadores e transmissores

Considerando que o IoMT se baseia na existência de uma rede segura, segura e capaz, processadores poderosos permanecerão um componente essencial para o processamento de big data em ritmo acelerado. Além disso, com os dados sendo transmitidos sem fio através de sistemas de radiocomunicação, os transmissores precisam ser capazes de transmitir volumes maiores de dados cada vez mais rapidamente.

Armazenamento de dados

O setor de defesa está trabalhando em uma variedade de soluções destinadas a lidar com questões técnicas relacionadas ao armazenamento de grandes volumes de dados. Muitas empresas privadas, incluindo a Amazon, estão oferecendo soluções de armazenamento para usuários do governo, incluindo o Departamento de Defesa dos EUA. No entanto, um recurso de armazenamento de dados para operações de combate terá que estar em conformidade com muitas especificações técnicas e provavelmente teria que ser separado das soluções puramente COTS.

No mercado civil, a IoT está se tornando o próximo campo de batalha em nuvem. Amazon, Google, Microsoft, Alibaba e IBM estão competindo entre si para fornecer a infraestrutura de nuvem que conectará e executará as coisas conectadas do mundo.

Vários serviços em nuvem específicos da IoT foram lançados para permitir armazenamento e processamento de dados rápidos e eficientes na nuvem, principalmente na infraestrutura como um serviço (IaaS), mas também na plataforma como um serviço (Soluções PaaS). Os fornecedores procuram cada vez mais verticalizá-los para atrair cargas de trabalho específicas do setor.

Segurança

A segurança apresenta um dos obstáculos mais críticos à implantação da IoT. No entanto, ao fornecer soluções de segurança, os fornecedores tiveram problemas para ir além de seus domínios tradicionais. Por exemplo, as ofertas de segurança da IoT das operadoras têm sido principalmente sobre autenticação de dispositivos e confiabilidade da rede. Claramente, podem ocorrer violações no nível do dispositivo, nível da rede, nível do aplicativo, nível de armazenamento e nível dos dados. Há algum trabalho em andamento para ajudar fornecedores e operadores a se unirem.

Por exemplo, a AT&T ingressou na IoT Cybersecurity Alliance, trabalhando com IBM, Nokia, Palo Alto Networks, Symantec e Trustonic para oferecer soluções completas. A segurança de ponta a ponta é uma obrigação para a adoção generalizada da IoT. Os líderes no gerenciamento unificado de ameaças são as redes Check Point Software, FireEye, Fortinet, Mimecast e Palo Alto. Os principais fornecedores de TI, como Cisco, IBM, Dell e HPE, também oferecem soluções de segurança de IoT atraentes.

Fonte: Army-Technology.com