Entre os dias 12 e 14 de março de 2024, o 59º Batalhão de Infantaria Motorizado destacou-se como cenário para um evento significativo no calendário de treinamentos do Exército Brasileiro. A realização do exercício no terreno não foi apenas mais uma etapa na formação dos militares, mas um marco na integração das competências técnicas e operacionais, através do Estágio de Adaptação e Serviço (EAS) e do Estágio de Serviço Técnico (EST). Este exercício, especificamente destinado a oficiais Médicos, Farmacêuticos, Dentistas e Veterinários (MFDV), bem como oficiais da área de administração, simboliza um avanço significativo na preparação e adaptação dos profissionais de áreas especializadas às exigências e peculiaridades do serviço militar em campanha.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Desenvolvimento de habilidades essenciais

blank

O foco do exercício transcendeu a mera aplicação prática de conhecimentos técnicos. Além de coroar o período de Instrução Individual Básica da 1ª Fase do EAS, visou o desenvolvimento de atributos críticos para qualquer militar: espírito de corpo, rusticidade e liderança. Estas características são fundamentais não apenas para a atuação em cenários de conflito, mas também no fortalecimento da coesão e eficácia das unidades em missões de qualquer natureza.

A importância estratégica dos profissionais MFDV e de administração no Exército

A inclusão dos oficiais MFDV e da área de administração em exercícios de campo ressalta o entendimento de que a prontidão operacional do Exército também depende da competência e da integração desses profissionais. Seja garantindo a saúde e o bem-estar das tropas, seja assegurando a gestão eficaz dos recursos, sua atuação é peça-chave na manutenção da capacidade combativa e na administração das organizações militares. Este exercício reforça o papel vital que desempenham, alinhando suas habilidades específicas com os rigores e desafios do ambiente militar.

Espírito de corpo e liderança em foco

A ênfase dada ao espírito de corpo, à rusticidade e à liderança durante o exercício reflete uma compreensão profunda da natureza multifacetada do serviço militar. A habilidade de atuar em condições adversas, a prontidão para liderar sob pressão e a capacidade de fortalecer o moral e a união entre os membros da equipe são qualidades que transcendem a especialização técnica, contribuindo para a formação de um corpo militar resiliente, adaptável e coeso.

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).