blank
AP Photo/Marko Drobnjakovic, File 2017

Após bombardeios contra alvos norte-americanos no Iraque, Biden autoriza a primeira operação militar contra alvos estrangeiros.

Google News

Os Estados Unidos realizaram um ataque aéreo na Síria contra uma estrutura pertencente ao que eles disseram ser uma milícia apoiada pelo Irã, em uma aparente resposta aos ataques de foguetes contra alvos americanos no Iraque.

Entre no canal do Defesa em Foco no Whatsapp e fique por dentro de todas as notícias do dia

Embora o ataque possa ser o primeiro movimento de retaliação dos Estados Unidos após os ataques da semana passada, o movimento parecia ter um alcance limitado, reduzindo potencialmente o risco de escalada.

Além disso, a decisão de atacar apenas na Síria e não no Iraque daria ao governo iraquiano algum espaço para respirar enquanto realiza sua própria investigação de um ataque de 15 de fevereiro que feriu americanos.

O Pentágono informou que os ataques destruíram várias instalações em pontos de controle de fronteira usados ​​por grupos militantes apoiados pelo Irã.

A ofensiva aprovada pelo presidente Biden foi limitada, segundo a Reuters, o que reduz o risco de uma escalada da tensão entre os países. O Governo iraquiano está conduzindo sua própria investigação sobre o ataque que feriu americanos em 15 de fevereiro, então a decisão de atacar apenas na Síria e não no Iraque não demanda uma reação do país e lhe dá tempo.

Os ataques com foguetes contra as posições dos EUA no Iraque coincidiram com as negociações entre Washington e Teerã para retomar o acordo nuclear de 2015 abandonado pelo ex-presidente Donald Trump. No ataque de 15 de fevereiro, uma série de foguetes atingiu a base militar dos Estados Unidos localizada no Aeroporto Internacional de Erbil, na região administrada pelos curdos, matando um empreiteiro não americano e ferindo vários empreiteiros norte-americanos.

Fonte: Jerusalém post