Instagram GRUSEF

Com a entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial ao lado dos aliados em 1942, a nação se preparou para enviar seus bravos homens para o campo de batalha. Entre eles estava Neraltino, um jovem artilheiro de 20 anos, parte da emblemática Força Expedicionária Brasileira (FEB). Apesar dos desafios e do atraso no envio dos 25.000 homens para lutar na Itália, a determinação e o espírito combativo dos soldados da FEB jamais vacilaram.

Cobras Fumantes: Um Símbolo de Desafio e Bravura

A espera pelo envio das tropas brasileiras à Itália gerou o ditado popular “É mais provável que as cobras fumarem do que a Força Expedicionária Brasileira ser enviada”. Em uma resposta cheia de desafio e orgulho, a FEB adotou o apelido de “Cobras Fumantes”, simbolizando sua determinação inabalável e prontidão para o combate. O patch divisional com uma cobra fumegante se tornou um símbolo icônico, representando a coragem e a tenacidade dos soldados brasileiros.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Honra e Reconhecimento: A Cruz FEB

Neraltino, como muitos de seus camaradas, foi reconhecido por sua bravura e serviço durante a campanha na Itália. Ele foi condecorado com a Cruz FEB, uma distinção que honra o sacrifício e a dedicação dos soldados da Força Expedicionária Brasileira. Essa condecoração não apenas reconhece o valor individual de combatentes como Neraltino, mas também celebra o esforço coletivo e a contribuição significativa do Brasil no conflito global.

Eternizado no Museu Imperial de Guerra em Londres

A jornada heroica da FEB e a história de Neraltino estão agora eternizadas no Museu Imperial de Guerra em Londres. Esse reconhecimento internacional reafirma a importância da participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial e garante que o legado dos Cobras Fumantes seja lembrado e respeitado pelas gerações futuras.

Com informações do GRUSEF

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).