blank

Forte de Coimbra (MS) – Nos dias 15 e 16 de julho, ocorreu no Distrito de Coimbra, a tradicional festa de Nossa Senhora do Carmo, a comemoração contou com a apresentação da Banda de Música do 17° Batalhão de Fronteira (17° B Fron) e diversas apresentações culturais. A tradicional missa e procissão, foram celebradas pelo Bispo da Diocese de Santa Cruz de Corumbá, Dom João Aparecido Bergamasco.

Por mais de dois séculos, a celebração cultua a fé e mantém vivos os relatos das manifestações da Santa em dois episódios decisivos para a garantia da soberania brasileira. Com o tempo, a festa tradicional tornou-se atrativo turístico, que atrai pessoas de todo o país, onde se cumprem promessas e graças recebidas, manifestadas nas oferendas e lembranças deixadas no manto de Nossa Senhora do Carmo.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

O Forte de Coimbra foi construído em 1775, às margens do Rio Paraguai, situa-se entre morros, pouco acima de onde existe o marco da tríplice fronteira – Brasil, Paraguai e Bolívia. Sua construção, numa época conflituosa entre Portugal e Espanha, garantiu a consolidação da fronteira oeste do Brasil.

Credita-se a Nossa Senhora do Carmo milagres ocorridos durante as batalhas contra espanhóis e paraguaios, em 1801 e 1864, respectivamente. Na primeira, a Santa teria livrado a guarnição militar do Forte, que contava com apenas 110 homens, de um massacre no dia 17 de setembro de 1801, quando o exército espanhol, após nove dias de batalha, venceram, mas bateram em retirada ao verem a imagem da Santa na entrada do Forte.

A segunda manifestação ocorreu durante a Guerra do Paraguai. No dia 28 de dezembro de 1864, a tropa paraguaia com 3,2 mil homens, 41 canhões e 11 navios cercou o forte. Os 160 brasileiros resistiram até o segundo dia, quando por ordem da Sra Ludovina Portocarrero, esposa do Comandante do Forte, um soldado exibiu a imagem da Santa na muralha e os inimigos suspenderam o fogo, permitindo a fuga dos sobreviventes.

Hoje, uma imagem em concreto da Santa se destaca na mesma muralha, de frente para quem sobe o Rio Paraguai.

Após a missa solene, os presentes acompanharam a procissão que culminou no pátio do Forte, onde a imagem de Nossa Senhora do Carmo foi recepcionada com honras militares e recebeu a faixa de Comandante pelas mãos da esposa do comandante do 17º B Fron, seguindo o costume local, representando o ato da Sra Ludovina Portocarrero. Em seguida, a procissão seguiu para o local de formatura, onde a imagem recebeu do Chefe do Centro de Coordenação de Operações do CMO, General de Brigada Valério Luiz Lange, a medalha de Honra ao Mérito, seguido da procissão fluvial, encerando a solenidade.

A atividade foi organizada pelo comando do 17° B Fron em parceria com a Fundação da Cultura e do Patrimônio Histórico de Corumbá, Diocese e comunidade local.

Fonte: 17° Batalhão de Fronteira