Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná

A Portos do Paraná cedeu uma área de 1.000 metros quadrados ao Grupo Escoteiro do Mar Antonina, que será utilizada para promover atividades educacionais, esportivas e sociais para crianças e jovens do município. No espaço será construída uma sede para uso em parceria com a empresa pública.

O termo de cessão de uso, que terá validade por 20 anos com possibilidade de prorrogação, foi assinado nesta quinta-feira (5), na sede administrativa da empresa pública, em Paranaguá, com a participação de autoridades, diretoria da empresa pública e membros do grupo escoteiro.

“Os portos em Paranaguá e Antonina estão ligados diretamente à geração de emprego e renda nos municípios do Litoral do Estado. Desta vez, estamos realizando uma ação direta com fim social, que estreita ainda mais a relação porto-cidade e contribui com o desenvolvimento dos jovens paranaenses”, disse o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Para o diretor de Meio Ambiente da empresa, João Paulo Santana, a cessão da área é um passo importante para a revitalização daquela área portuária. “Vamos trazer crianças para aprender atividades náuticas que propiciam benefícios pela responsabilidade social”, afirmou.

Ele explica que as novas instalações podem representar uma mudança na matriz econômica das comunidades da Baía de Paranaguá. “O espaço incentiva o desenvolvimento de turismo de base comunitária, de turismo náutico, atividades de navegação, entre outras”.

O presidente do Grupo Escoteiro do Mar Antonina, João Basílio Pereima, salienta que o novo espaço vai ampliar o atendimento aos jovens da comunidade local. “Vamos ter condições plenas de operacionalizar uma Escola do Mar para atender não só os escoteiros, mas toda a comunidade de Antonina e alunos da rede pública de ensino”, explicou.

Segundo o prefeito do município, Zé Paulo, eles vão aprender a velejar, ter habilidades de construção naval, ferramentas, equipamentos e uma oficina de meio ambiente. “A sede dos escoteiros do mar será um polo irradiador de cultura, ética e prática esportiva para a comunidade”, disse.

O oficial da Capitania dos Portos do Paraná, André Luiz Moraes de Vasconcelos, fez questão de enfatizar o trabalho social realizado pelo movimento. “A Marinha está diretamente ligada à mentalidade marítima e a ação social de apoiar os jovens, à vida ao mar, aos marinheiros”, afirma.

HISTÓRIA – Os escoteiros de Antonina e os portos do Paraná possuem uma relação de décadas. Em 1941, quando um decreto presidencial previa o fechamento do Porto Barão de Tefé, um grupo de cinco jovens foi ao Rio de Janeiro ao encontro ao presidente Gétulio Vargas entregar uma carta para impedir o fim das atividades – à época, havia uma preocupação com a economia local. Após 45 dias de caminhada e 1,5 mil quilômetros percorridos a pé, o objetivo foi cumprido: o pedido foi aceito e o porto foi salvo pela ação dos escoteiros.

Fonte: Secom Paraná