A Polícia Federal (PF) iniciou, nesta quinta-feira (21), a Operação “Lágrimas de Sal”, visando investigar crimes relacionados à exploração de sal-gema em Maceió, Alagoas, pela empresa Braskem. O foco da operação são as atividades de mineração que ocorreram entre 1976 e 2019, que resultaram em instabilidades graves no solo de bairros como Pinheiro, Mutange e Bebedouro, forçando a evacuação de mais de 60 mil pessoas devido ao risco de desmoronamentos.

Investigações Revelam Falhas na Segurança da Mineração

As investigações indicam que as atividades de mineração não cumpriram com os padrões de segurança necessários, ignorando as recomendações da literatura científica e dos planos de lavra. Há suspeitas de que foram apresentados dados falsos e omitidas informações relevantes às autoridades de fiscalização, permitindo a continuidade das operações mesmo frente a problemas de estabilidade nas cavidades de sal e sinais de subsidência do solo.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Ações da Operação e Possíveis Crimes Investigados

Cerca de 60 policiais federais estão envolvidos na operação, cumprindo 14 mandados judiciais de busca e apreensão nas cidades de Maceió, Rio de Janeiro e Aracaju. Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Alagoas. Os investigados poderão responder por crimes como poluição qualificada, usurpação de recursos da União, e apresentação de estudos ambientais falsos ou enganosos.

Resposta da Braskem e o Significado da Operação

A operação, batizada de “Lágrimas de Sal”, faz alusão ao sofrimento causado à população pela exploração de sal-gema. Em resposta, a Braskem afirmou estar acompanhando a operação e se colocou à disposição das autoridades, prometendo prestar todas as informações necessárias ao longo do processo.

Com informações da Agência Brasil

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).