No domingo (9), a Marinha do Brasil (MB), durante fiscalizações de rotina, apreendeu três comboios de embarcações carregadas com madeira em Belém (PA) e dois comboios carregados com manganês em Santana (AP). A ação faz parte dos esforços contínuos para garantir a segurança da navegação e a legalidade das operações de transporte de carga na região.

Apreensões em Belém

blank

Em Belém, militares da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental (CPAOR) encontraram diversas irregularidades nos três comboios, comprometendo a segurança da navegação. Entre os problemas identificados estavam a ausência de condutor habilitado em um dos empurradores, falta de documentação das embarcações e excesso de carga em todas as balsas.

  • Primeiro comboio: Transportava 2 mil m³ de toras de madeira e foi conduzido ao Porto Fluvial Brucutu.
  • Segundo comboio: Com 1 mil m³ de madeira, foi direcionado ao Distrito Industrial de Ananindeua.
  • Terceiro comboio: Com 1,5 mil m³ de madeira, foi acompanhado até o município de Santa Bárbara do Pará.

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará foi acionada para verificar a origem e a legalidade das cargas apreendidas.

Apreensões em Santana

Em Santana, a Capitania dos Portos do Amapá (CPAP) apreendeu dois comboios carregados com manganês nas proximidades do Rio Matapi. As inspeções identificaram a falta de despacho obrigatório para embarcações comerciais, documentação incompleta e registro vencido.

  • Primeiro comboio: Formado por um empurrador e duas balsas, transportava cerca de quatro toneladas de manganês.
  • Segundo comboio: Com um empurrador e uma balsa, carregava aproximadamente duas toneladas de minério.

Após as apreensões, a Polícia Federal e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) foram comunicados para verificar a origem das cargas e adotar as medidas cabíveis.

Importância das Inspeções Navais

“As inspeções navais são extremamente importantes para garantir a segurança do tráfego aquaviário. Durante as inspeções, verificamos a documentação da embarcação, as habilitações do condutor e tripulação, além do material de salvatagem, como coletes salva-vidas, essenciais para a salvaguarda da vida humana”, afirma o Capitão dos Portos do Amapá, Capitão de Fragata João Batista da Conceição Reis.

Contato para Emergências e Denúncias

Cidadãos que observarem situações de risco à segurança da navegação, à vida humana no mar e nas vias navegáveis, ou que ameacem poluir os recursos hídricos, podem denunciar à Marinha do Brasil pelo número 185. No Pará, também estão disponíveis os contatos da CPAOR: (91) 3218-3950 e (91) 98134-3000 (mensagens instantâneas). No Amapá, os contatos da CPAP são: (96) 3281-5480 ou (96) 99162-8039.

Esquadrão HU-51 Conduz Treinamento Crucial em Evacuação Aeromédica

Marcelo Barros, com informações da Agência Marinha
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui