Em Tabatinga, Amazonas, o Comando de Fronteira Solimões/8º Batalhão de Infantaria de Selva (Cmdo Fron Sol/8º BIS) prossegue com a Operação Itaquaí, parte integrante das atividades da Operação Escudo. Esta operação, iniciada em agosto, tem como missão primordial apoiar a Fundação Nacional do Índio (FUNAI) no combate aos crimes ambientais na Terra Indígena do Vale do Javari.

Ações e Resultados da Operação

Desde o início da Operação Itaquaí, foram realizadas diversas apreensões significativas, incluindo caça, armamentos e munições. Além disso, vários animais vivos, principalmente quelônios, foram resgatados e libertados nos rios da região, reforçando o compromisso da operação com a preservação ambiental e a biodiversidade local.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Fiscalização e Orientação em Terras Indígenas

Uma parte vital da operação, realizada em conjunto com a FUNAI, envolve a fiscalização e orientação do tráfego de embarcações nos rios que cortam as terras indígenas do Vale do Javari. Esta ação não apenas combate crimes ambientais, mas também assegura a proteção dos direitos e do território das comunidades indígenas locais.

Significado e Importância da Operação

A Operação Itaquaí simboliza o esforço contínuo do Exército Brasileiro e da FUNAI para proteger as riquezas naturais e culturais do Brasil. O lema “Exército Brasileiro: Braço Forte, Mão Amiga” reflete o compromisso das forças armadas não apenas com a defesa do país, mas também com ações humanitárias e de preservação ambiental.

Compromisso com a Preservação e Segurança

A continuidade e o sucesso da Operação Itaquaí evidenciam o compromisso do Brasil com a preservação de suas riquezas naturais e a proteção dos direitos das comunidades indígenas. Essa operação é um exemplo claro da importância da cooperação entre diferentes órgãos para garantir a segurança e a sustentabilidade ambiental na região amazônica.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).